Total de pedidos de auxílio-desemprego sobe nos EUA

Número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego subiu 25 mil, para 429 mil, após ajustes sazonais, na semana até 23 de abril

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

28 de abril de 2011 | 09h56

O número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego subiu 25 mil, para 429 mil, após ajustes sazonais, na semana até 23 de abril, informou o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos. Economistas esperavam queda de 8 mil solicitações. O número da semana anterior foi revisado para 404 mil, ante os 403 mil informados antes.

A média móvel de pedidos feitos em quatro semanas - calculada para suavizar a volatilidade do dado - subiu 9.250, para 408,500. Esta é a primeira vez que a média móvel de quatro semanas supera 400 mil desde a semana que terminou em 19 de fevereiro. Na semana encerrada em 16 de abril, o número total de norte-americanos que recebiam auxílio-desemprego recuou 68 mil, para 3,641 milhões.

A taxa de desemprego para trabalhadores com seguro-desemprego foi de 2,9% na semana até 16 de abril, abaixo de 3% na semana anterior. Nos EUA, as regras para distribuição do auxílio-desemprego variam de Estado para Estado e nem todos os desempregados têm direito ao benefício. As informações são da Dow Jones.

Consumo pessoal

O Departamento de Comércio dos EUA informou que o índice de preços para gastos com consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês) subiu 3,8% no primeiro trimestre deste ano, em comparação com a alta de 1,7% registrada no quarto trimestre de 2010.

O núcleo do PCE, que é a medida preferida do Federal Reserve para a inflação, aumentou 1,5% no período, em taxa anualizada. Nos três últimos meses do ano passado o indicador - que exclui itens voláteis como alimentos e energia - havia subido 0,4%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
auxílio-desempregopedidosEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.