Toyota fará recall do Corolla no Brasil

Defeitos. Acordo foi fechado com o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), após reunião realizada ontem; serão convocados os proprietários de carros fabricados a partir de abril de 2008, num total aproximado de 100 mil automóveis

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2010 | 00h00

A Toyota decidiu realizar no Brasil recall semelhante ao que está fazendo nos EUA para mais de 8 milhões de modelos Corolla. No País, a convocação deve envolver cerca de 100 mil unidades do sedã fabricadas a partir de abril de 2008.

A montadora tomou a decisão após ser pressionada pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), que ameaçou pedir a suspensão da venda do automóvel em todo o território, a exemplo do que fez o Ministério Público de Minas Gerais.

Segundo nota divulgada ontem à noite pelo Ministério da Justiça, órgão ao qual o DPDC é vinculado, a empresa "reconheceu o risco oferecido pela falta de fixação do tapete ao assoalho e se comprometeu a adotar os procedimentos exigidos pelo Código de Defesa do Consumidor para a realização do recall".

Os números oficiais de modelos envolvidos serão divulgados nos próximos dias, mas, pelas contas de vendas do modelo desde abril de 2008, pode passar de 100 mil. O DPDC informou ainda que a montadora vai investir numa comunicação direta e explicativa ao consumidor sobre os riscos relacionados à fixação do tapete. Também colocará um adesivo no para-brisas do Corolla, alertando para o risco em caso de deslocamento do tapete.

"A montadora também vai orientar concessionárias a fazer a substituição de tapetes não originais por genuínos e a não comercializar tapetes não originais", citou a nota.

A Toyota confirmou as medidas, mas não deu detalhes. A decisão de realizar o recall foi acertada na tarde de ontem, durante reunião em Brasília entre representantes da empresa e do Grupo de Estudos Permanentes de Acidentes de Consumo (Gepac), formado por vários órgãos de defesa do consumidor.

É a segunda vez em pouco mais de um mês que uma montadora brasileira realiza recall após determinação do DPDC. O caso anterior foi em março, com o Fiat Stilo, após quase dois anos de análise de acidentes em que a roda traseira de alguns modelos se soltou em movimento.

Também em nota, o Procon/SP, que integra o Gepac, informou que "a convocação visa resguardar a saúde e a segurança dos consumidores". O órgão informou ainda que o Gepac iria solicitar ao Denatran a suspensão da venda do modelo em todo o País. No mês passado, o Denatran fez o laudo que levou o DPDC a exigir o recall do Stilo e a multar a Fiat em R$ 3,2 milhões pela demora em admitir o defeito. A Fiat recorreu da decisão.

Proibição. A venda do Corolla, que custa a partir de R$ 60 mil, estava suspensa em Minas Gerais desde a quinta-feira, por determinação do Ministério Público local.

"O resultado da reunião (de ontem) foi satisfatório, pois mostrou a força da união dos órgãos de defesa do consumidor, que conseguiram garantir a preservação da segurança dos motoristas", disse Roberto Pfeiffer, diretor executivo do Procon-SP.

Segundo o Procon/SP, após a divulgação do recall gigantesco nos EUA, foi instaurada averiguação sobre o caso no Brasil, em conjunto com o Gepac. Esse procedimento continuará em andamento, disse a nota.

Em nota divulgada na quinta-feira, a Toyota informava que o problema da aceleração estava relacionado ao mau posicionamento ou instalação incorreta do tapete do motorista.

Para Jailton de Jesus, presidente da Associação Nacional das Vítimas de Montadoras e Concessionárias Automobilísticas (Avemca), tudo indica que o defeito não está ligado apenas à fixação do tapete. "Há problemas também no acelerador." Nos EUA, a montadora fez recall de ambos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.