Toyota - 29/11/2021
Toyota - 29/11/2021

Toyota inicia operações em três turnos e amplia mão de obra feminina

Fábrica de Sorocaba, onde é produzido o Corolla Cross híbrido, vai ampliar a produção anual em 30%

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2021 | 15h38

A Toyota passou a operar com três turnos de trabalho a partir de hoje na fábrica de Sorocaba (SP), medida que resultou na contratação de 550 funcionários, dos quais 37% são mulheres. Com a produção ininterrupta por 24 horas, a empresa vai ampliar em 30% a capacidade produtiva da unidade, de 122 mil para 158 mil veículos ao ano. 

Na planta do interior paulista são produzidos os modelos Yaris, Etios (só para exportação) e Corolla Cross, o primeiro utilitário-esportivo da marca fabricado no País e lançado em março. 

O SUV tem versão híbrida/flex – roda com energia e gasolina ou etanol e é comercializado em 22 países da região.  A unidade já havia operado com três equipes entre novembro de 2018 e junho de 2019.

A volta do terceiro turno, anunciada em setembro, ocorre num momento em que várias montadoras estão dando férias coletivas ou colocando trabalhadores em lay-off (suspensão temporária de contratos), como a Volkswagen e a General Motors

As paradas e redução de produção ocorrem por causa da falta de semicondutores, problema que não tem afetado a Toyota com tanta frequência quanto as demais montadoras.

Em nota divulgada hoje, a companhia japonesa afirma que a ampliação da produção vai consolidar a fábrica de Sorocaba como a maior produtora de veículos eletrificados da América Latina, “em mais um passo da empresa na busca pela massificação de tecnologias mais limpas e consequente avanço no compromisso de neutralidade de carbono na região”.

A Toyota é a única montadora instalada no Brasil que está produzindo localmente modelos híbridos, que rodam com motor elétrico e a combustão (flex), podendo utilizar etanol no abastecimento.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.