Kazuhiro Nogi/AFP
Kazuhiro Nogi/AFP

Toyota mantém liderança mundial

Primeiro lugar no ranking de vendas, no entanto, é ameaçado pela General Motors

Patrice Novotny, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2011 | 00h00

A montadora japonesa Toyota continuou em 2010 a ocupar o posto de primeira fabricante de carros do mundo, com 8,42 milhões de veículos vendidos, apesar da crise dos recalls de automóveis. Mas a empresa poderá, em breve, ceder seu lugar para a americana General Motors, que vem se recuperando da crise pela qual passou nos últimos anos.

As vendas da Toyota aumentaram 8% em comparação com 2009, segundo comunicado da empresa. A montadora superou por menos de 30 mil carros a GM, que vendeu mais de 8,39 milhões de unidades em 2010.

A Toyota vem mantendo a liderança na venda de carros desde 2008, ano em que tirou o lugar de número um da GM, que foi líder do setor por mais de 70 anos. Mas a montadora japonesa, com sede em Nagoya, diz que manter o primeiro lugar no mundo em vendas "não é importante". "Nosso objetivo é ser a número um no mundo para o cliente, em termos de serviço e satisfação do consumidor", declarou o porta-voz Paul Nolasco.

Entre o fim de 2009 e o início de 2010, a Toyota viveu uma das piores crises da sua história. A montadora japonesa fez o recall de cerca de nove milhões de veículos em todo o mundo por causa de diversos problemas técnicos. A maior parte das falhas foi registrada nos pedais dos aceleradores, que podiam bloquear o sistema de freios, que acabava reagindo com atraso.

Imagem afetada. Os problemas afetaram a imagem de confiança que a empresa mantinha no mundo todo. O impacto foi particularmente forte nos Estados Unidos, país atingido pela maior parte dos recalls e onde uma tensa audiência do presidente da empresa, Akio Toyoda, frente a uma comissão parlamentar comoveu o público.

O grupo japonês aceitou pagar multas recordes nos Estados Unidos. Além disso, enfrentou ações coletivas por dezenas de mortes relacionadas com os defeitos técnicos, apesar de alguns acidentes terem sido causados também por erros na direção, segundo investigações das próprias autoridades americanas.

Não por acaso, nos Estados Unidos as vendas ficaram estagnadas em 2010, um ano relativamente bom para o setor, que se recuperou da recessão de 2008-2009. "Nossas vendas são muito boas na Ásia", contemporizou Paul Nolasco.

No Japão, principal mercado da Toyota, a montadora se beneficiou do grande sucesso do seu modelo híbrido, o Prius (movido a gasolina e eletricidade), que ocupa o primeiro lugar em vendas no país.

Tendência. Segundo Mamoru Kato, economista do Centro de Pesquisa Tokai Tóquio, o fato de a Toyota continuar se mantendo no primeiro posto é "uma boa notícia para a empresa, mas a tendência é que a GM em breve deve ultrapassar a Toyota".

A GM aumentou suas vendas mundiais em mais de 12% em 2010 (29% na China), frente aos 8% contabilizados pela Toyota. A GM reduziu a diferença entre suas vendas e as da rival japonesa para cerca de 28 mil veículos, em comparação com cerca de 330 mil unidades em 2009, graças às robustas vendas na China. A montadora de Detroit tem avançado e tem deixado para trás as dificuldades que a levaram a pedir concordata em junho de 2009. Em novembro, a GM retornou com sucesso à Bolsa de Nova York, onde levantou US$ 23,1 bilhões.

A Toyota, com todas as suas marcas incluídas, espera vender 8,61 milhões de veículos em 2011, um aumento de 2% em um ano. "Por ora, não é momento de crescer. As previsões da Toyota para este ano não estão tão altas", acrescentou Mamoru Kato. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.