Toyota passa GM e assume liderança na fabricação de carros

Japonesa vendeu 2,41 milhões de veículos nos 3 primeiros meses de 2008 - 2,7% acima do total do 1º trimestre de 2007

Agencia Estado e Efe,

23 de abril de 2008 | 14h28

A montadora japonesa Toyota assumiu o posto de maior fabricante mundial de automóveis ao deixar a americana General Motors para trás no primeiro trimestre de 2008. A companhia japonesa vendeu 2,41 milhões de veículos nos três primeiros meses de 2008 - 2,7% acima do total do primeiro trimestre de 2007 - enquanto a empresa americana vendeu 2,25 milhões de veículos neste período. A General Motors informou hoje que suas vendas diminuíram um pouco menos de 1% devido às quedas no mercado norte-americano, de cerca de 10%. No resto das zonas onde opera, a empresa conseguiu bons resultados.  A empresa norte-americana ficou com o posto de segundo maior fabricante mundial de automóveis no primeiro trimestre do ano, com 2,25 milhões de veículos vendidos nesse período. Já o fabricante japonês vendeu 2,41 milhões de veículos nos três primeiros meses de 2008.  Vendas da GM Na realidade, 64% de todas as vendas da GM foram produzidas fora dos Estados Unidos (cerca de 8% a mais que no mesmo período de 2007), o que supõe uma porcentagem recorde para o fabricante. No total, a demanda fora dos Estados Unidos foi de 1,45 milhões de veículos. Na região asiática do Pacífico, as vendas da GM somaram a cifra recorde de 411 mil veículos, 6% a mais que em 2007, graças aos resultados na China, onde se tornou a marca de mais vendas.  A empresa norte-americana vendeu no primeiro trimestre 312 mil unidades na China, o que significa um aumento de 7%. A GM também conseguiu um recorde na região da américa Latina, África e Oriente Médio, com 323.400 veículos vendidos, 20% a mais que no ano passado.  As vendas no Brasil aumentaram 36% durante o trimestre. GM também conseguiu cifras recorde no Chile, Equador e Venezuela, além do Oriente Médio e Israel.  Na Europa, GM estabeleceu um recorde com a demanda de 572 mil unidades, o que supõe um incremento de 3%. A Rússia foi o país europeu onde as vendas mais aumentaram: 78%.  No mercado doméstico, onde os consumidores foram pressionados pela elevação dos preços dos combustíveis e pelas preocupações com a crise de crédito, as vendas da GM caíram 10,2% no primeiro trimestre, para 947.298 veículos. A montadora informou, porém, que manteve sua participação de mercado em 21%. Esta cifra, 476 mil veículos foram caminhonetes, categoria que inclui SUVs, pickups e furgões, o que significa uma redução de 15%.  As vendas de automóveis, que totalizaram 330 mil unidades, decresceram 6%.  GM disse que as vendas mundiais de todo o setor automobilístico durante o primeiro trimestre somaram 17,99 milhões de unidades, 3% a mais que no ano de 2007. Para o conjunto de 2008, GM calcula que se venderam em todo o mundo quase 73 milhões de unidades, 2 milhões de veículos a mais que no ano anterior. Nos EUA, a GM tem reduzido a produção e está demitindo funcionários na medida em que as vendas diminuem. Mas o crescimento no exterior levou a montadora a buscar formas de atender a demanda. No começo deste mês, a GM anunciou que vai investir US$ 200 milhões na construção de uma fábrica de motores e componentes em Joinville (SC). A companhia também pretende continuar a investir US$ 1 bilhão por ano na China. Matéria alterada às 14h44 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.