Toyota quer atrair produtores de autopeças a SP

Montadora, que terá fábrica de motores no interior de São Paulo, espera ver fornecedores ao seu redor

CLEIDE SILVA / PORTO FELIZ , O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2014 | 02h09

A Toyota pretende atrair 19 empresas de autopeças para a região próxima a Porto Feliz, no interior de São Paulo, onde vai construir sua primeira fábrica de motores na América Latina. Elas fornecerão itens como blocos, cabeçotes, eixos e virabrequim, segundo informou o presidente da empresa para a América Latina, Steve St. Angelo.

Ontem, a empresa realizou a cerimônia de lançamento da pedra fundamental, que marca o início das obras da fábrica que terá investimentos de R$ 1 bilhão. Deve ser inaugurada na primeira metade de 2016, com 700 funcionários e capacidade instalada de 200 mil unidades ao ano. "Vamos iniciar operações com 65% de índice de nacionalização", disse o executivo.

Inicialmente serão feitos motores 1.3 e 1.5 para o compacto Etios, feito em Sorocaba (SP) e, numa segunda etapa, para o Corolla, produzido em Indaiatuba (SP). O sedã, que terá uma nova versão a partir de março, é equipado com motores 1.8 e 2.0 importados do Japão, assim como os propulsores do Etios.

Uma terceira etapa da fábrica inclui exportações, mas St. Angelo reclamou da falta de competitividade dos produtos brasileiros. "Me corta o coração, por exemplo, ver que modelos Corolla vendidos na América do Sul vêm da fábrica do Mississipi, Estados Unidos, e não do Brasil", afirmou. O único país abastecido pela filial é a Argentina.

O executivo defende que governo, empresas e sindicatos trabalhem em conjunto para reduzir os custos de produção no País para que os produtos locais tenham condições de competir internacionalmente.

"Meu sonho é que sejamos tão competitivos a ponto de exportar para os EUA. Quero que minha família e meus amigos dirijam carros brasileiros", disse o executivo. Ele é americano e está no Brasil há quase um ano.

O vice-presidente executivo da Toyota Motor Corporation, Seiichi Sudo, lembrou que a unidade de motores é a quarta do grupo - maior fabricante mundial de veículos - no País. A primeira foi inaugurada em 1958, em São Bernardo do Campo.

Em 2013 a Toyota vendeu 176 mil automóveis e comerciais leves no mercado brasileiro, e ocupou a sétima posição no ranking nacional. Este ano, a projeção é chegar a 182 mil unidades.

Segundo St. Angelo, o grupo avalia a introdução de um terceiro turno de trabalho na fábrica de Sorocaba, para ampliar a capacidade produtiva do Etios, hoje de 70 mil unidades. Em 2013, foram vendidas 62 mil unidades do compacto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.