Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

TPI negocia concessão de R$ 300 milhões

Desqualificada da licitação da Rodovia Ayrton Senna, a TPI pode vender a Concepa, do Rio Grande do Sul, para o grupo farmacêutico EMS

Renée Pereira, O Estadao de S.Paulo

15 de maio de 2009 | 00h00

A Triunfo Participações e Investimentos (TPI), empresa do setor de infraestrutura de transportes e energia elétrica, negocia a venda de uma de suas concessões rodoviárias no País. Trata-se da Concepa, concessionária que administra 121 quilômetros (km) de estrada entre os municípios de Osório e Guaíba, no Rio Grande do Sul. A principal interessada seria a empresa farmacêutica EMS, que tem tentado diversificar suas atividades. Em outubro do ano passado, ela participou do leilão de rodovias do Estado de São Paulo, por meio do consórcio Cegens. O grupo disputou a licitação da Rodovia Rondon Oeste, vencida pela BRVias, da família Constantino.As duas empresas negam qualquer tipo de negociação, mas fontes do mercado garantem que as conversas avançaram nas últimas semanas. O preço da venda seria em torno de R$ 300 milhões. Descontando as dívidas da concessionária, o desembolso cairia para algo próximo de R$ 200 milhões. A receita líquida da Concepa em 2008 foi de R$ 107 milhões.Segundo fontes, a EMS poderia se associar a outras empresas para adquirir o capital da concessionária, até mesmo com algumas companhias que integraram o consórcio Cegens - formado especialmente por empresas de construção. Até sexta-feira passada, duas companhias haviam apresentado propostas para o negócio.A venda da concessionária tem como objetivo reforçar o caixa da TPI, que recentemente foi desqualificada da licitação da Rodovia Ayrton Senna/Carvalho Pinto por não conseguir entregar o seguro garantia dentro do prazo estabelecido pela Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp). O trecho das duas estradas foi leiloado em outubro do ano passado junto com outros quatro lotes.Apesar do descumprimento da regra, a TPI ainda espera conseguir reverter a decisão, anunciada no dia 22 de abril. Nas últimas semanas, ela entrou com recurso administrativo na Artesp para recuperar a concessão. A decisão deve sair na próxima semana, com risco de parar na Justiça caso a resposta da agência seja negativa. O fechamento da venda da Concepa, segundo fontes, também aguarda a decisão da Artesp. Isso porque, em caso de resposta negativa, a agência pode executar a garantia dada pela empresa para participar do leilão, no valor de R$ 61 milhões, afirmam especialistas do setor.Nos recursos apresentados pela TPI, ela argumenta que as condições adversas do cenário mundial contribuíram de forma significativa para a não obtenção das garantias. A dificuldade criou até um certo mal-estar entre a empresa e a seguradora Cescebrasil. ARGUMENTOSEm documentos obtidos pelo Estado, a seguradora afirma à TPI que não teve condição legal para emissão do seguro, já que nenhuma das 20 companhias consultadas aceitaram fazer o resseguro da apólice. "Além da grave crise atravessada pelo mercado, a situação financeira da TPI constitui fator agravante na avaliação do risco das resseguradoras", disse a Cescebrasil, em relatório preparado pela Schalch Sociedade de Advogados.Conforme o documento, empresas como JMaluceli, Zurich Brasil, Hannover Re e Munich Re, entre outras, responderam que não poderiam fazer o resseguro por causa da situação financeira da TPI. "Os números da empresa são incompatíveis com esse projeto", afirmou a Munich Re.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.