TR segue em zero há cinco meses e reduz correção da poupança e do FGTS

Com a expectativa de manutenção da Selic em 7,25% ao ano, taxa deve ficar nesse patamar pelos próximos dois anos

Eduardo Cucolo, da Agência Estado,

07 de janeiro de 2013 | 18h01

BRASÍLIA - Um dos principais indexadores da economia brasileira, criado em 1991 junto com o Plano Collor 2, a Taxa Referencial (TR) deixou de existir. Pelo menos, extraoficialmente. Embora o Banco Central continue calculando diariamente o indicador, utilizado principalmente na correção da caderneta de poupança, das prestações da casa própria e dos saldos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o resultado dessa conta segue sendo zero há cinco meses.

A TR é calculada com base na taxa média dos CDBs prefixados, de 30 dias a 35 dias, oferecidos pelos 30 maiores bancos. Para se chegar ao número final, é utilizado ainda um redutor que torna a correção menor, compatível com os juros dos empréstimos para habitação.

Há dez anos, a TR rendia mais de 4,5% ao ano. Há algum tempo, no entanto, a queda dos juros já havia reduzido o peso desse indicador, que foi criado para ser a principal taxa de referência da economia brasileira. Depois que o BC reduziu a taxa básica para 8% ao ano, em 11 de julho do ano passado, o indicador chegou a ficar positivo durante alguns dias. A partir do dia 7 de agosto, entretanto, a TR não saiu mais do zero.

E com a perspectiva de manutenção nos juros nos atuais 7,25% ao ano por um tempo prolongado, a tendência é que a TR permaneça nesse patamar por pelo menos dois anos. "Vai continuar sendo zero por muito tempo. A projeção para a Selic para os próximos 12 meses é de 7,25% ao ano e, mesmo que aumente um pouco, a TR deve continuar em zero. Mesmo se chegar a 8%, o que não está previsto agora, ficará em torno de zero, dependendo do dia", diz o economista José Dutra Vieira Sobrinho.

Isso vai contribuir, segundo o economista, para que o rendimento da poupança fique abaixo da inflação em 2012 e 2013 para alguns poupadores. Com a TR zerada, o rendimento fica em 0,50% ao mês para os depósitos feitos até 3 de maio de 2012 (antes da mudança na regra de correção anunciada pelo governo) ou 6,17% ao ano. Para os depósitos após essa data, a correção está hoje em 0,4134% ao mês (5,075% ao ano), o equivalente a 70% da taxa Selic. A projeção de inflação para o ano passado e para o atual está próxima de 5,5%.

Em relação ao FGTS, corrigido em 3% ao ano + TR, a diferença é ainda maior. "O FGTS, que já deu rentabilidade real negativa nos últimos quatro anos, vai continuar dando prejuízo", disse Sobrinho.

O economista destaca que, por outro lado, essa mudança beneficia as pessoas com financiamentos imobiliários. "Como as taxas são prefixadas, ninguém terá aumento no valor da prestação", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.