bolha

Paulo Bilyk: "Quem está comprado em 4 ou 5 ações corre risco grande de perder tudo"

Trabalhador aeroespacial rejeita contraproposta da Fiesp

Os dirigentes dos sindicatos dos metalúrgicos em São José dos Campos, Campinas, Limeira, Botucatu e Santos rejeitaram hoje contraproposta de reajuste salarial feita pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). A entidade patronal propunha aos metalúrgicos do setor aeroespacial aumento de 7,5% para os que trabalham em empresas com mais de 35 funcionários e que recebem salários até R$ 4,5 mil. Para aqueles que ganham acima desse valor, a Fiesp propôs um aumento fixo de R$ 337,50. De acordo com o vice-presidente do Sindicato de São José dos Campos, Herbert Claros da Silva, ainda não há previsão de uma nova rodada de negociações. Ele não descarta uma greve caso não se chegue a um acordo.

AE, Agencia Estado

19 de outubro de 2010 | 18h59

A categoria formada por funcionários da Embraer e de 28 fornecedores de peças para a empresa reivindica reajuste salarial de 15,57%. Os trabalhadores pedem ainda redução da jornada de trabalho, licença-maternidade de 180 dias, definição da data-base do setor em 1º de setembro e assinatura de convenção coletiva com a garantia de cláusulas sociais, entre as quais estabilidade a trabalhadores lesionados até a aposentadoria.

Conforme informações do sindicato, as negociações envolvem 18 mil trabalhadores da região de São José dos Campos, no interior de São Paulo. Silva reclama que, enquanto a maioria das categorias do setor metalúrgico já fechou acordos de reajuste, a do setor aeroespacial ainda nem abriu negociação. Procurada, a Fiesp confirmou a reunião de hoje e informou que as negociações estão em andamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.