Trabalhador perde R$ 13 bi na crise, mostra estudo

A massa salarial na indústria brasileira de transformação diminuiu R$ 13 bilhões em um ano de crise financeira internacional. A soma dos salários pagos pelas empresas do setor caiu de R$ 190 bilhões para R$ 177 bilhões entre outubro de 2008 e setembro de 2009. A diferença entre os dois valores supera em R$ 900 milhões os R$ 12,1 bilhões que serão pagos de 13º salário aos trabalhadores da indústria em geral neste ano. As informações são de um levantamento inédito feito por José Ricardo Roriz Coelho, diretor do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O trabalho confirma que o estrago da crise global no mercado de trabalho na indústria foi além do corte no emprego.

AE, Agencia Estado

16 de dezembro de 2009 | 09h55

No período analisado, a massa de salários caiu 5,3%, relativamente menos do que a produção industrial, cuja retração chegou a 8%, porém mais que o emprego, que recuou 4,1%. "Na crise, as empresas cortaram horas extras, além de demitirem, o que em muitas empresas foi feito de uma forma seletiva, mandando embora funcionários de maiores salários", explica Roriz Coelho. O executivo ressalta que empresas e trabalhadores, em sua grande maioria paulistas, chegaram a acordos para redução temporária de jornada e de salários na fase mais aguda da crise.

Apesar da retomada da atividade econômica observada desde o início deste ano, tanto a produção quanto a massa salarial e o emprego continuam abaixo dos níveis do período anterior à crise. O pessoal ocupado na indústria, por exemplo, passou de 7,03 milhões em outubro de 2008 para 6,74 milhões em setembro último. Perderam-se 286 mil empregos. Contudo, só no último mês de outubro, o setor recuperou 74,5 mil vagas, conforme os dados mais recentes do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
crisetrabalhadorrenda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.