Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Todo trabalhador afetado pelo coronavírus deverá receber parte do seguro-desemprego

Auxílio será estendido a todos os funcionários de empresas que tiverem redução de jornada ou de salários; regra também valerá para quem tiver o contrato suspenso

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2020 | 23h23

BRASÍLIA - O governo deve ampliar para todos os trabalhadores que tiverem redução de jornada e salários ou suspensão de contratos de trabalho, o direito a uma parte do seguro-desemprego, por conta da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus - segundo apurou o Estadão/Broadcast. A proposta anterior era que apenas empregados com salário de até R$ 3.135 teriam acesso à ajuda do governo, mas essa trava caiu a pedido do presidente Jair Bolsonaro.

Para acelerar a edição da Medida Provisória (MP) com os valores da compensação, o advogado-geral da União, André Mendonça, entrou com uma Ação Direta de Inconstitucional (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que artigos da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020 e da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) não sejam considerados para as despesas de enfrentamento da crise durante o período de calamidade.

Esses artigos estavam travando a edição do MP porque exigem, nas propostas que acarretem diminuição de receita ou aumento de despesa da União, a apresentação de uma compensação para efeito de adequação orçamentária e financeira. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, assim que o STF se pronunciar, o governo está pronto para editar a MP.  

Os detalhes da ampliação da compensação aos trabalhadores foram discutidos hoje com Bolsonaro. O presidente disse que era preciso abrir para todos os trabalhadores para que não houvesse diferenciação entre os que terão redução de jornada, que poderá ser de 25%, 50% ou 65%.

A área econômica ainda está finalizando os cálculos, mas a estimativa é que o custo adicional deve ficar um “um pouco menos de R$ 10 bilhões” acima da estimativa anterior, que era de R$ 36 bilhões, como antecipou o Estadão/Broadcast. O governo vai assegurar, em todos os casos, que a compensação paga pelo governo e a parte paga pela empresa somem pelo menos um salário mínimo (R$ 1.045).

FGTS

O governo também está fechando os últimos detalhes da nova rodada de saques do FGTS. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, a liberação deve ser maior que os R$ 500 por conta anunciados no ano passado. O valor exato está sendo guardado a sete chaves pelos integrantes da equipe econômica.

A ideia é que todos os trabalhadores que possuem saldo no fundo de garantia possam resgatar uma parcela de suas contas. A nova rodada do saque imediato do FGTS valerá inclusive para quem aderiu ao saque-aniversário, modalidade em que o cotista resgata uma parte de seu saldo anualmente, mas abre mão do saque do valor integral no momento da demissão sem justa causa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.