Trabalhadores da Embraer comemoram decisão do TRT

Quatrocentos trabalhadores demitidos da Embraer na semana passada se reuniram hoje na sede do Sindicato dos Metalúrgicos em São José dos Campos, no Vale do Paraíba, onde receberam a notícia de que o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Campinas (SP) mandou a empresa suspender as 4.270 demissões. Houve comemoração, mas a Embraer informou, em nota oficial, que vai recorrer da decisão do TRT, "uma vez que procedeu as referidas dispensas de acordo com a lei". No mesmo comunicado a empresa enfatizou o respeito aos funcionários demitidos. Apesar da nota da empresa, os empregados demitidos se encheram de esperança. Depois da reunião, junto com outros sindicatos, os funcionários participaram de um protesto em frente à porta da fábrica, em São José dos Campos (SP). De braços dados, representantes dos metalúrgicos e demitidos fizeram um cordão em um dos portões da fabricante de aviões. Entre os manifestantes estava o sindicalista Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical. Com bandeiras e gritos de guerra, os manifestantes fizeram questão de entregar para a empresa a decisão do Tribunal Regional do Trabalho. Cópias da decisão também eram distribuídas na porta da fábrica para os funcionários. "Foi uma decisão inédita, que terá que ser cumprida pela Embraer", afirmou Paulinho. Para ele, a empresa poderia ter optado por outras formas de redução de custos. "Como banco de horas, férias coletivas, licença remunerada. Tudo menos demissões". O ato durou cerca de uma hora e foi pacífico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.