Adonis Guerra/Divulgação
Adonis Guerra/Divulgação

Trabalhadores da Mercedes fazem greve nesta quarta-feira

Paralisação na fábrica de São Bernardo deve durar um dia; metalúrgicos querem negociar renovação do acordo de estabilidade, que vence em agosto

Economia & Negócios, O Estado de S. Paulo

04 de maio de 2016 | 11h55

Os trabalhadores da fábrica Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, decidiram em assembleia na manhã desta quarta-feira paralisar as atividades durante todo o dia, a fim de defender a estabilidade no emprego.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a insegurança quanto a demissões cresceu entre os trabalhadores na semana passada, depois de uma declaração do presidente da montadora no Brasil, Phillipp Schiemer, de que não pretende renovar o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). O regime de redução de jornada vence em maio, e o  acordo de estabilidade de empregos, em agosto.

“A paralisação de hoje é um recado à direção da MBB. O presidente da montadora afirmou na semana passada que o PPE se esgotou e há um excedente de dois mil trabalhadores", afirmou em nota Moisés Selerges, diretor administrativo do sindicato. "Queremos deixar claro que queremos negociar uma solução conjunta, mas não aceitaremos demissões."
De acordo com a instituição, do total de 9,8 mil trabalhadores na fábrica em São Bernardo, 8 mil estão no regime de PPE, com redução de 20% da jornada de trabalho. A adesão ao programa foi feita em setembro de 2015. Selerges afirma que o sindicato deseja iniciar um processo de negociação com antecedência, bem antes do fim do período de estabilidade, mas diz que as conversas ainda não foram iniciadas.

A Mercedes, por meio da assessoria, confirmou a paralisação em São Bernardo. Em nota, a empresa afirma que lamenta o ocorrido, "uma vez que tem sofrido os efeitos da drástica queda no mercado de veículos comerciais causada pela crise política e econômica no País". 

Quanto ao andamento das negociações e à possibilidade de descarte do PPE no segundo semestre, a empresa não quis comentar.  "É importante lembrar que, desde 2014, a Mercedes-Benz vem adotando diversas medidas de flexibilidade e gestão de mão de obra para gerenciar o excedente de mais de 2 mil pessoas na fábrica de do ABC", afirmou a montadora.

As atividades na fábrica de São Bernardo devem ser retomadas normalmente nesta quinta-feira, segundo o sindicato.


Mais conteúdo sobre:
mercedesmontadorasgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.