Agência Petrobrás
Agência Petrobrás

Trabalhadores da Petrobrás começam greve em seis Estados

Empregados reclamam da lentidão nas negociações com a empresa sobre salários e sobre o plano de venda de ativos

Reuters e Agência Estado

29 de outubro de 2015 | 13h13

Atualizado às 17h07

SÃO PAULO - Trabalhadores da Petrobrás em seis Estados iniciaram greve nesta quinta-feira reclamando de lentidão nas negociações com a empresa sobre salários e sobre o plano de venda de ativos, informou a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), composta por cinco sindicatos. 

Em nota oficial, a empresa informa que "não há qualquer prejuízo à produção ou ao abastecimento do mercado". A paralisação foi iniciada à meia-noite de hoje, em resposta à reunião realizada com a empresa ontem.

Há paralisações em São Paulo, Rio de Janeiro, Alagoas, Sergipe, Pará e Amazonas, disse a entidade. Segundo a FNP, há forte mobilização em terminais portuários da Petrobrás na região de Santos e Cubatão (SP). Também haveria adesão de trabalhadores em plataformas nos campos de Mexilhão e Merluza, na Bacia de Santos.

A adesão na refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão, seria de 100% entre os funcionários do turno atual, que não entraram para trabalhar, disse o secretário-geral da FNP, Adaedson Bezerra Costa.

Segundo ele, os trabalhadores que começaram o turno na quarta-feira às 15h ainda estão na unidade, mantendo-a em funcionamento. "A gente está impetrando um habeas corpus para tirar o pessoal de lá", disse ele à Reuters.

Em nota divulgada na noite de quarta-feira, a estatal disse que encaminhou às entidades sindicais uma nova proposta para as cláusulas econômicas do acordo coletivo e que vai realizar reunião com os trabalhadores na tarde desta quinta-feira.

"A apresentação de uma nova proposta econômica, além do atendimento ao pleito de incluir representantes de empresas do Sistema Petrobrás na mesa negociação, demonstra a disposição da companhia em dialogar abertamente com as entidades sindicais", diz o comunicado da empresa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.