Divulgação
Divulgação

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Trabalhadores da Usiminas cruzam os braços

Funcionários da siderúrgica em Cubatão prometem entrar em greve a partir desta quarta-feira em protesto contra 4 mil demissões, diz sindicato

MARIANA DURÃO, ENVIADA A BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2015 | 05h00

Trabalhadores da usina siderúrgica da Usiminas em Cubatão (ex-Cosipa), em São Paulo, vão iniciar greve por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira, 11, em protesto contra a decisão da empresa de parar a produção de aço e demitir milhares de funcionários, de acordo com o sindicato local.

“A intenção é fazer a greve por tempo indeterminado”, afirmou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos e Siderúrgicos de Santos e Região, Florêncio Rezende de Sá”, à Reuters. Segundo ele, o movimento da entidade vai envolver 6 mil a 7 mil trabalhadores da Usiminas.

Maior produtora de aços planos do Brasil em capacidade instalada, a Usiminas anunciou no fim de outubro que vai desativar temporariamente atividades de produção de aço da usina de Cubatão, mantendo as de laminação. A empresa disse que a decisão foi tomada em função da crise econômica e da deterioração dos preços da liga nos mercados internacionais. Cerca de 2 mil funcionários diretos da usina e outros 2 mil terceirizados serão demitidos.

O anúncio veio no dia em que a empresa informou o quinto prejuízo trimestral consecutivo, entre os meses de julho e setembro deste ano. Em comentários a analistas de mercado, o vice-presidente financeiro da Usiminas, Ronald Seckelmann, disse na ocasião que a empresa vai cortar o investimento previsto para 2016 pela metade em relação aos quase R$ 750 milhões programados para este ano. A queda do investimento considera a suspensão da produção de aço em Cubatão.

Florêncio afirmou que a Usiminas ainda não começou a demitir funcionários ligados às atividades primárias da usina, pois eles têm estabilidade até 23 de dezembro. Mas ele comentou que a empresa já cortou cerca de 600 terceirizados da usina desde o anúncio de outubro.

Em comunicado sobre as manifestações previstas para hoje em Cubatão, a Usiminas afirmou que respeita o direito dos cidadãos de expressarem livremente suas opiniões, mas espera que as manifestações se deem de forma pacífica. A empresa afirmou ainda que “espera que seus trabalhadores não sejam impedidos de exercerem suas atividades”.

Negociação. Na semana passada, o diretor-presidente da Usiminas, Rômel Erwin de Souza, foi ao gabinete do Ministro do Trabalho, Miguel Rosseto, apresentar “as razões técnicas e econômicas” para a companhia desativar temporariamente as atividades das áreas primárias da usina a partir de janeiro.

Em entrevista durante o 56º Congresso da Associação Latinoamericana do Aço (Alacero), em Buenos Aires, Souza evitou responder se a Usiminas estuda minimizar ou voltar atrás na medida, anunciada onze dias atrás, quando a empresa reportou um prejuízo líquido de R$ 1,042 bilhão no terceiro trimestre do ano.

Apesar de afirmar que a medida é temporária, ele não deu horizonte para sua reversão. “A Usiminas aguarda a recuperação do mercado”, disse.

Questionado se a desvalorização do real não seria suficiente para dar fôlego à companhia e à usina de Cubatão, que destina grande parte de sua exportação ao exterior, Souza foi taxativo: “A exportação não é saída, é uma alternativa. Estamos readequando a empresa ao tamanho do mercado”, disse, destacando que outras moedas de concorrentes se desvalorizaram ainda mais que o real e que a China continua exportando aço fortemente.

No terceiro trimestre, 64% da produção da Usiminas ficou no mercado interno e 36% dela foi destinada ao mercado externo. A operação de Ipatinga, em Minas Gerais, tem 90% de sua produção destinada ao mercado doméstico, enquanto Cubatão seria responsável por boa parte do volume exportado.

O executivo da Usiminas admitiu que as medidas “antidumping” e uma sobretaxa de 60% adotada pelos Estados Unidos contra a importação de laminados, inclusive do Brasil, têm dificultado a colocação do produto da Usiminas no mercado americano. / COM INFORMAÇÕES DA REUTERS 

Tudo o que sabemos sobre:
Usiminas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.