Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Trabalhadores de aplicativos somam 1,4 milhão no Brasil, diz Ipea

Pesquisa aponta que o total de pessoas ocupadas no transporte de passageiros por aplicativos passou de 1,1 milhão este ano, com aumento de 37% em relação a 2016; no transporte de mercadorias, são 278 mil trabalhadores

Reuters

07 de outubro de 2021 | 12h48

RIO - Cerca de 1,4 milhão de pessoas no Brasil trabalham para aplicativos de transporte de passageiros ou mercadorias no País, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira, 7, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Os transportadores por aplicativo representam cerca de 31% do total estimado de 4,4 milhões de pessoas alocadas no setor de transporte, armazenagem e correio no País, segundo o Ipea. As projeções foram feitas com base em dados e pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Os dados apontam que, no primeiro trimestre de 2016, o total de pessoas ocupadas no transporte de passageiros por aplicativo era de cerca de 840 mil. No primeiro trimestre de 2018, o número atingiu 1 milhão e avançou a 1,3 milhão no terceiro trimestre de 2019

"Por conta da pandemia de covid-19, houve redução ao longo de 2020, mas o número logo se estabilizou nos dois primeiros trimestres de 2021 em 1,1 milhão de pessoas ocupadas em transporte de passageiros no regime de conta própria, valor 37% superior ao do início da série, em 2016”, informou o Ipea.

No caso do transporte de mercadorias, também por aplicativos, os números subiram de 30 mil trabalhadores em 2016 para 278 mil em 2021.

"Com a ascensão das plataformas de aplicativos para entregas de mercadorias ou transporte de passageiros e o consequente avanço tecnológico que facilita mais contratações de curto prazo, é possível perceber que a quantidade de pessoas com empregos não tradicionais (como autônomos e trabalhadores temporários) teve um crescimento exponencial nos últimos anos", afirmou o Ipea. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.