Trabalhadores rejeitam proposta da Petrobras e greve continua

Paralisação no norte fluminense provoca suspensão de 7% da produção nacional de petróleo, segundo a estatal

Nicola Pamplona, de O Estado de S. Paulo,

14 de julho de 2008 | 19h43

Os trabalhadores filiados ao Sindicato dos Petroleiros do Norte-Fluminense (Sindipetro-NF) rejeitaram nesta segunda-feira, 14, contra-proposta da Petrobras para a questão do dia do desembarque, mantendo a greve de cinco dias nas plataformas de produção de petróleo da Bacia de Campos.  Veja também:Sindicato dos Petroleiros acusa Petrobras de cárcere privado A mobilização foi iniciada à meia-noite e, segundo a Petrobras provocou a suspensão de 7% da produção nacional de petróleo. Os empregados reivindicam que o dia de desembarque das plataformas seja contado como dia trabalhado e não dia de folga, como ocorre hoje.  Com o resultado da assembléia desta tarde, os embarques para as plataformas permanecem suspensos. A estatal, porém, vem mantendo o nível de produção com a atuação de equipes de contingência. A Petrobras informou que a produção da Bacia de Campos, no Rio de Janeiro, está praticamente normalizada. A estatal informou que às 18 horas a produção da companhia atingiu 96% da capacidade. Ao longo do dia, o movimento atingiu 2 das 38 plataformas de produção da bacia. Às 18 horas, a redução da produção era de 63 mil barris/dia. Para a estatal, o plano de contingência, cujo objetivo era garantir a produção e a segurança das plataformas, foi implementado com sucesso. Em nota ao mercado, a empresa confirma que as plataformas de perfuração operam normalmente. A petrolífera diz que ainda aguarda manifestação do sindicato dos petroleiros sobre proposta apresentada na quinta-feira passada. (com Danielle Carvalho, da Agência Estado)

Mais conteúdo sobre:
PetróleoPetrobrasGreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.