Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Trabalhadores sacaram R$ 44 bi das contas inativas do FGTS

Segundo a Caixa, quase 26 milhões de pessoas tiveram acesso aos recursos, o equivalente a 79% dos brasileiros com contas inativas

Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2017 | 10h52

BRASÍLIA - A Caixa Econômica Federal anunciou que brasileiros sacaram R$ 44,032 bilhões das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) no período entre 10 de março e 31 de julho. O valor injetado na economia acabou sendo maior do que a estimativa inicial da própria instituição financeira, que informou inicialmente que R$ 43,6 bilhões estavam disponíveis para saque, mas o montante foi atualizado para R$ 49,8 bilhões. O total sacado, portanto, foi 88% do disponível.

+ Quem teve problemas no saque poderá retirar dinheiro até o fim de 2018

O presidente da Caixa, Gilberto Occhi, explicou que o valor disponível para saque subiu graças à atualização das contas com a apresentação de documentos pelos trabalhadores. Isso adicionou R$ 4,95 bilhões disponíveis para saque com a inclusão de 2,48 milhões de contas que estavam “ativas” no sistema, mas que, na verdade, eram “inativas” e a apresentação dos documentos permitiu a regularização da situação dessa conta.

Segundo o banco, 25,910 milhões de trabalhadores com direito a saque retiraram os recursos disponíveis. O universo equivale a 79% dos titulares das contas inativas.

+ INFOGRÁFICO: Tudo sobre as contas inativas do FGTS

Occhi também disse que "não há possibilidade" de prorrogação do período de saque das contas inativas do FGTS. "Não haverá prorrogação. Acreditamos que o governo já fez um grande gesto", disse Occhi. "Foi uma grande medida do governo federal", completou. Segundo a Caixa, há 6,79 milhões de contas com R$ 5,85 bilhões a sacar.

Occhi comentou que apenas alguns casos poderão sacar os recursos até 31 de dezembro de 2018: trabalhadores com doença grave ou que estão ou estavam presos no período normal de saque que terminou em julho. Nesses casos, é preciso levar documentação que comprove a situação à Caixa para a retirada de recursos.

Além desses casos, o presidente disse que os cotistas poderão sacar o dinheiro nos momentos tradicionais: para compra de imóvel, em caso de aposentadoria, em caso de doença grave ou após três anos de inatividade da conta.

Occhi comentou ainda que o presidente Michel Temer deve anunciar nesta semana a distribuição de dividendos das contas do FGTS. O presidente da Caixa disse que não poderia antecipar os dados aos jornalistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.