Trabalhadores sinalizam aceitação de nova proposta de PLR da Petrobrás

De acordo com a Federação Única dos Petroleiros, as primeiras assembleias realizadas no PR, SC e AM foram concluídas com aprovação ao valor proposto pela estatal

André Magnabosco, da Agência Estado,

20 de julho de 2012 | 18h55

SÃO PAULO - A nova proposta de pagamento de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) apresentada pela Petrobrás no início desta semana agradou os trabalhadores da estatal. De acordo com a Federação Única dos Petroleiros (FUP), as primeiras assembleias realizadas nas bases da entidade em Paraná/Santa Catarina e Amazonas foram concluídas com aprovação ao valor proposto pela estatal. A indicação da FUP para aprovação da proposta também está sendo seguida por São Paulo, Minas Gerais, Ceará e Rio Grande do Norte, o que reduz a possibilidade de um movimento de greve por parte dos trabalhadores. Outras assembleias devem ser realizadas ao longo do final de semana para avaliar a oferta.

A proposta da Petrobrás prevê reajuste de R$ 760 no piso da PLR paga pela empresa. Além disso, a estatal ofereceu pagamento de um valor adicional de R$ 1.296 ou 12% do salário do trabalhador, o que for maior., como adiantamento a título de gratificação contingente do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) de 2012. Esse pagamento ocorreria somente a partir de setembro (data base da categoria)

Os termos propostos pela Petrobrás foram aprovados pela FUP, mas duramente criticados pela Federação Nacional dos Petroleiros (FNP). Para a entidade, a proposta da Petrobrás é uma tentativa de "enganar" os trabalhadores. A diretoria da FNP alega que a Petrobrás deveria conceder o mesmo tratamento dado aos acionistas, em relação ao valor pago nos dividendos. Nesse caso, o valor pago pela empresa apresentou alta de 2,3% de um ano para o outro. A federação, entretanto, não detalha qual é o real ganho proposto pela Petrobrás em termos porcentuais.

Tudo o que sabemos sobre:
PLRPetrobrásFUP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.