Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Ações do Bradesco sobem após justiça inocentar Trabuco

Presidente do banco era acusado de, juntamente com outros executivos do banco, ter relação com o grupo acusado de corromper integrantes do Carf para tentar anular um débito do banco junto à Receita Federal

Aline Bronzati e Karin Sato, O Estado de S.Paulo

14 Junho 2017 | 12h16

SÃO PAULO - O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, foi inocentado pelo Tribunal Regional Federal (TRF) no âmbito da Operação Zelotes, que apura esquema de corrupção junto ao Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf). A decisão foi tomada por unanimidade pela quarta turma que concedeu o habeas corpus para o trancamento da ação por falta de justa causa.

A notícia beneficiou os papéis do Bradesco na Bolsa ao longo do dia. Às 16h10, as ações PN do banco registravam ganhos de 3,75%, e as ON mostravam alta de 3,25%. Esses ganhos também impulsionaram as ações dos demais bancos listados na B3. No mesmo horário, Itaú Unibanco subia 1,08% e Itaúsa (ON), 0,90%. As ações ON do Banco do Brasil, que durante a manhã registraram alta de 1,82%, reverteram a tendência e agora caem 0,26%. 

Trabuco era acusado de, juntamente com outros executivos do Bradesco, ter relação com o grupo acusado de corromper integrantes do Carf para tentar anular um débito do banco junto à Receita Federal. O processo em questão foi julgado em desfavor ao Bradesco, por unanimidade, em 2014.

RELEMBRE: Juiz da Zelotes nega absolvição sumária de presidente do Bradesco

Na época do anúncio de eventual envolvimento do banco, o Bradesco negou as conversas entre executivos da instituição e também a contratação da empresa investigada na Zelotes. 

Ações. Mas a maior variação positiva do Ibovespa no pregão desta quarta-feira, 14, é a Bradespar, com alta de 4,06% às 17h02, devido à informação que circula entre investidores de que as consultorias de representação e análise para votos em assembleias (Glass Lewis e ISS) se posicionaram a favor da reestruturação corporativa da Vale, conforme apurou o Broadcast com fontes.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.