Trabuco vai substituir Cypriano à frente do Bradesco

Indicação do atual presidente da Bradesco Seguros foi aprovada nesta 2ª em reunião do colegiado do banco

Da Redação,

12 de janeiro de 2009 | 10h17

Luiz Carlos Trabuco Cappi foi indicado para assumir a presidência-executiva do Bradesco, substituindo o atual presidente Márcio Cypriano, segundo anunciado pelo banco nesta segunda-feira, 12. Cypriano completou 65 anos em novembro e, pelo estatuto, deve deixar o cargo até março.   A indicação de Trabuco - feita pelo presidente do Conselho de Administração, Lázaro de Mello Brandão - foi aprovada em reunião realizada nesta segunda-feira, 12, pelo colegiado do banco. No comunicado, o banco destaca que Márcio Cypriano atingiu a idade limite prevista no Estatuto Social do banco para o cargo de diretor-presidente (65 anos) e, por isso, não poderá ter seu mandato renovado, "após 10 anos de profícua gestão".   Cypriano cumprirá o atual mandato de diretor-presidente que vai até a primeira reunião do Conselho de Administração a ser realizada após a Assembleia Geral Ordinária de 2009, prevista para março próximo, e continuará como membro do Conselho de Administração.  Trabuco também terá assento no Conselho de Administração do grupo, segundo comunicado ao mercado.   "Essa decisão vem reafirmar o comprometimento da Administração do banco voltada para o desenvolvimento dos negócios, na busca de resultados combinado com sustentabilidade e com a permanente determinação de fomentar valor para o acionista e a sociedade", afirmou o Bradesco.   Formado em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP), Trabuco, 57 anos, é presidente da Bradesco Seguros, a maior seguradora do País - responsável por pouco mais de um terço do lucro do banco.   Cria da casa, ele conhece bem a filosofia do banco e teve passagens bem-sucedidas por várias áreas. Foi diretor de marketing e presidente da área de previdência. Com 39 anos de banco, Trabuco sempre trabalhou perto da diretoria e despachava perto de Brandão.

Tudo o que sabemos sobre:
Bradesco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.