Tradener congela projeto de importação de 3 mil MW

A comercializadora Tradener resolveu congelar um ambicioso projeto de importação de até 3 mil megawatts (MW) de energia da Argentina, orçado em US$ 3 bilhões. O AE Setorial apurou que a alta do dólar no Brasil foi a pá de cal sobre o projeto, que já era prejudicado pela forte crise enfrentada pela Argentina e pela persistente redução de 10% do consumo de energia elétrica no País.O projeto envolvia a construção de uma usina térmica com até 3 mil MW de capacidade em território argentino e a construção de uma linha de transmissão da fronteira entre os dois países até São Paulo. "Pedimos à Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) que suspendesse as licenças que havia concedido ao projeto, já que os prazos estabelecidos não poderiam ser cumpridos", contou o diretor-superintendente da Tradener, Walfrido Ávila. A agência, segundo ele, cancelou as licenças no início deste mês.EntravesÁvila explica que, com as crises vividas pela Argentina, os empreendedores dificilmente conseguiriam garantias para realizar investimentos no país vizinho. Além disso, "com o dólar hoje a US$ 2,87, não se pode pensar em importar energia, ainda mais com o mercado brasileiro mantendo uma redução de 10% do consumo", afirmou. O executivo ressaltou, contudo, que "o projeto é válido" e que futuramente, quando houver uma melhoria da conjuntura econômica nos dois países, deverá ser retomado.A Aneel já havia cancelado, também a pedido da Tradener, uma licença para a importação de 150 MW da Bolívia, em janeiro último. A comercializadora não havia conseguido cumprir, por problemas operacionais, segundo a Agência, um cronograma que deveria resultar na importação da energia boliviana em outubro do ano passado.Leia mais sobre o setor de Energia no AE Setorial, o serviço da Agência Estado voltado para o segmento empresarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.