Transbrasil apresenta proposta sobre Aerus

O presidente da Transbrasil, Antônio Celso Cipriani, apresentou ao ministro da Previdência Social, Waldeck Ornélas, uma proposta para solucionar o impasse entre a empresa e o Aerus, fundo de pensão de seus funcionários, com relação ao recolhimento e não repasse de R$ 11,5 mi, a título de contribuição previdenciária. Cipriani afirmou, ao deixar o ministério, que não considera o não repasse dessas contribuições ao Aerus apropriação indébita de recursos. "Nós não consideramos apropriação indébita porque o recurso está sendo utilizado para cobrir as despesas com a folha de pagamentos da Transbrasil", disse Cipriani. Segundo ele, a receita mensal da empresa não tem sido suficiente para cobrir todas as suas despesas. A folha de pagamentos da Transbrasil, incluindo os encargos sociais, é de cerca de R$ 10 mi por mês. Cipriani questionou, também, a medida anunciada ontem pela Secretaria de Previdência Complementar do ministério de entrar com denúncia contra a empresa no Ministério Público. "Nós não fomos comunicados oficialmente pelo Ministério Público de que tenha sido apresentada essa denúncia", afirmou. A assessoria de imprensa do Ministério da Previdência confirmou que a denúncia já foi encaminhada ao MP. Cipriani não detalhou, na rápida entrevista que deu após a audiência com Ornélas, qual foi a proposta apresentada ao ministro, embora ele deixasse implícito que se trata de um parcelamento do débito. Por seu turno, Waldeck Ornélas confirmou, por meio de sua assessoria, que a Transbrasil manifestou interesse em resolver o problema e que vai negociar com o Aerus uma fórmula para regularizar o aporte de recursos. O ministério informou, ainda, por sua assessoria, que a Secretaria de Previdência Complementar deverá avaliar a proposta de negociação dos recursos não repassados ao fundo, logo depois de o Aerus e a empresa chegarem a um consenso sobre a proposta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.