Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Felipe Rau/Estadão - 14/10/2019
Felipe Rau/Estadão - 14/10/2019

Transição para economia sustentável deve elevar preços de matérias-primas

A substituição do petróleo e carvão por fontes de energia sustentável exigirá maior consumo de produtos como cobre e alumínio, indica relatório da gestora Kinea, que faz parte do grupo Itaú

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2021 | 10h00

A transição energética para uma economia verde, com a substituição do petróleo por fontes renováveis, como a solar e a eólica, deve pressionar os preços de commodities no médio prazo. No lugar do minério de ferro e da soja, que estão puxando hoje os preços nos mercados internacionais, o cobre, o alumínio e até mesmo o petróleo devem ter suas cotações em alta no futuro.

“É ótimo termos uma economia verde, mas isso tem um custo. E esse custo não é trivial”, diz Ruy Alves, gestor de ações globais da Kinea (gestora de recursos independente que faz parte do grupo Itaú). Alves destaca que os países mais pobres devem sofrer mais com a conta a ser paga, dado que, quando o preço das commodities sobem, os alimentos costumam ficar mais caros também. 

Segundo o economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, essa inflação será observada porque as novas fontes de energia devem ser mais caras pelo menos em um primeiro momento, até que a produção ganhe ainda mais escala. “Quando se faz uma transição energética como a que se pretende realizar e com a pressa que essa mudança demanda, a tendência é usar inicialmente tecnologias mais caras na exploração.”

Relatório deste mês da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) aponta que, para o mundo zerar a emissão líquida de carbono até 2050, a participação da energia eólica e fotovoltaica na geração de energia elétrica no mundo terá de saltar de menos de 10% hoje para quase 70% em 30 anos.

Essa transformação demandará, sobretudo, cobre e alumínio, além das chamadas terras raras (substâncias químicas de difícil extração usadas na produção de baterias recarregáveis). O estudo da IEA aponta que o uso dessas commodities deve passar de cerca de 8 milhões de toneladas por ano em 2020 para 40 milhões em 2050, um crescimento de 400%.

O cobre, produzido principalmente no Chile, no Peru e em países africanos, é tido como um dos principais produtos dessa nova economia. Ele deverá ser usado sobretudo em redes de transmissão de energia construídas especificamente para atender fazendas de energia eólica e solar. Carros elétricos também demandam uma quantidade maior do material do que os veículos tradicionais. 

Por outro lado, os investimentos para ampliar a produção dessa commodity têm sido aquém do necessário para acompanhar o crescimento da demanda, segundo relatório que a Kinea divulga nesta quinta-feira, 27. “Novos investimentos de exploração, se iniciados hoje, devem levar ao menos cinco anos para gerar oferta substancial, e nesse interregno não vemos perspectiva de a oferta cobrir a demanda ‘verde’ para distribuição de energia e carros elétricos. Esse desbalanço provavelmente terá que ser resolvido através de preços mais altos”, afirma o documento. 

No caso do alumínio, a procura deve crescer alavancada pela utilização em painéis solares. Mais leve que o aço, a commodity também deve ser aproveitada pelas indústrias da construção e de transportes.

As condições da oferta do produto, no entanto, podem resultar em preços mais elevados. O alumínio é feito a partir da bauxita e sua produção utiliza uma enorme quantidade de energia elétrica. O entrave ocorre porque a China, que tem no carvão sua principal fonte  energética, é o maior fornecedor de alumínio do mundo.

Assim como Washington, Pequim também vem revendo sua postura em relação à emissão de carbono. Esse movimento fez a produção global de alumínio, que vinha crescendo de forma acelerada, ficar estancada no mesmo patamar desde 2017.

“Devemos nos deparar com forte demanda da reabertura econômica juntamente com a inabilidade do mundo de responder com correspondente oferta (de alumínio), gerando um déficit e consequente queda de estoques, que já se encontram em nível abaixo da média histórica”, destaca ainda o relatório d a Kinea.

Petróleo

Apesar de ser uma das fontes mais “sujas” de energia, até o petróleo deve registrar alta nos preços no período em que a economia estiver em transformação. Isso deve ocorrer como resultado da redução de investimentos no setor.

Nos últimos dez anos, o petróleo de xisto nos Estados Unidos cresceu a ponto de se tornar responsável por 10% do total produzido no mundo. O governo de Joe Biden, porém, está desincentivando o segmento.

Fundos de investimento também têm reduzido aportes no setor petroleiro como um todo. A tendência, portanto, é que, nos próximos anos, a produção se concentre nas mãos da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que pode tabelar o preço em patamares elevados.

“Os países altamente dependentes da exportação, sabendo do fim iminente do petróleo, vão querer maximizar receitas. Eles podem e tem poder para colocar o preço em US$ 100 o barril”, diz o economista-chefe da consultoria LCA, Bráulio Borges.

Para Borges, uma forma para tentar aliviar, no Brasil, essa pressão nas commodities decorrente da transformação energética seria reduzir a alíquota de importação de bens duráveis, que é superior à média global. “Não aliviaria muito os preços em reais das commodities básicas, mas amenizaria ou mesmo neutralizaria os efeitos na inflação final”, explica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.