Transpetro estuda elevar financiamento a vencedores de licitação

A Transpetro vem acenando com a possibilidade de aumentar sua participação no financiamento dos 26 navios petroleiros, cuja licitação foi encerrada na última quarta-feira. O presidente da companhia, Sérgio Machado, se esquivou de responder ao questionamento sobre esta possibilidade na entrevista coletiva concedida na sede da empresa, mas pelo menos três representantes dos quatro grupos vencedores da licitação confirmaram que já "ouviram falar da proposta".Para todos eles, entretanto, esta ainda é uma idéia bastante embrionária e que só se realizaria se os estaleiros não conseguissem oferecer as garantias exigidas pelo BNDES para o financiamento com recursos do Fundo de Marinha Mercante (FMM).Pelo previsto atualmente no edital da licitação dos 26 navios, a Transpetro participaria com 20% dos investimentos, sendo metade com capital próprio e outra metade financiada. A idéia é que parcelas de 5% fossem liberadas a cada estágio da obra. Pela nova proposta, a Transpetro assumiria 40% do negócio no mesmo esquema de metade com capital próprio e o restante financiado.Segundo fontes do setor naval, os grupos com maior dificuldade de financiamento seriam o Mauá Jurong e o estaleiro Itajaí. O primeiro por estar quase com sua capacidade de financiamento tomada, já que está realizando obras em plataformas de perfuração da Petrobras, e ainda a P-54, além de outros navios para armadores diferentes.Principal empecilhoJá o estaleiro Itajaí tem como principal empecilho junto ao Fundo de Marinha Mercante, empréstimo tomado há mais de três anos para a construção de dois navios gaseiros. Até hoje o estaleiro não concluiu a obra, mesmo tendo recebido todo o dinheiro, e por isso não é bem visto pelo órgão financiador.Segundo Machado, o imbróglio referente ao financiamento dos grupos vencedores deve estar solucionado até o mês de setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.