Transportadoras perdem US$ 30 mi com greve de fiscais

Ao completar um mês da greve dos auditores fiscais da Receita Federal, as transportadoras alegam acumular prejuízos de cerca de US$ 30 milhões. O levantamento foi feito pela Associação Brasileira de Transportadores Internacionais (ABTI) e contabiliza as cargas paradas e os atrasos, sem contar os contratos futuros que foram cancelados.Segundo a entidade, importantes carregamentos para países do Mercosul, previstos para as próximas semanas, foram suspensos ou deixaram de ser contratados. Cerca de dois mil caminhões estão parados nos portos secos das fronteiras do Rio Grande do Sul. O vice-presidente da ABTI, José Carlos Becker, informou que as cargas mais prejudicadas são dos setores automotivo e moveleiro. "De uma forma geral, todos os setores estão sendo atingidos, principalmente os transportadores que têm caminhões parados entre dez e 15 dias nas fronteiras", alegou o empresário. Os auditores fiscais da Receita decidiram manter a greve, em assembléia realizada na manhã de hoje. A categoria reivindica mudanças no plano de carreira e um reajuste de 42% nos salários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.