Transportes levam IPC-S a leve desaceleração

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) registrou leve desaceleração na semana até 15 de janeiro, subindo 0,83%, ante alta de 0,86% apurada no indicador anterior, de até 7 de janeiro. A pequena queda ante o índice passado se deve à elevação de preços menos intensa de Transportes (de 2,93% para 1,98%) no período. A taxa, anunciada nesta terça-feira pela Fundação Getúlio Vargas, ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado, que esperavam um resultado entre 0,80% a 0,92%, e abaixo da mediana das projeções (0,85%). De acordo com a FGV, das sete classes de despesa usadas para cálculo do indicador, cinco registraram desaceleração de preços, na passagem do IPC-S de até 7 de janeiro para o índice de até 15 de janeiro. Além de Transportes, os outros quatro grupos cuja elevação perdeu fôlego, no mesmo período, foram Despesas Diversas (de 0,16% para 0,09%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,73% para 0,67%); Habitação (de 0,27% para 0,26%) e Vestuário (de 0,82% para 0,19%).Os outros dois grupos registraram aceleração de preços, como Alimentação (de 0,78% para 1,23%) e Educação, Leitura e Recreação (de 0,7% para 0,98%). A FGV esclareceu que, na avaliação dos preços no âmbito dos produtos, as altas de preço mais expressivas foram apuradas em tarifa de ônibus urbano (4,28%); cenoura ( 20,33%); e tomate (10,04%). Já as mais expressivas quedas foram registradas em limão (-35,84%); passagem aérea (-10,98%); e seguro facultativo para veículo (-3,04%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.