Transportes puxam receita de serviços em março, diz IBGE

Os serviços de transportes, serviços auxiliares e correio foram os que mais contribuíram para o crescimento de 6,8% da receita nominal da atividade de serviços (sem descontar a inflação) no mês de março sobre março de 2013, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No período, a receita dos transportes cresceu 8,0%, o que deu uma contribuição de 2,5 pontos porcentuais à taxa geral. O segmento também é o que tem o maior peso no índice.

IDIANA TOMAZELLI, Agencia Estado

20 de maio de 2014 | 09h28

Apesar disso, o resultado dos transportes representou uma desaceleração quando comparado com a taxa de fevereiro sobre fevereiro de 2013, quando a receita nominal cresceu 14,7%. Em 12 meses até março, o avanço acumulado é de 10,8%.

A segunda maior contribuição para a taxa de março veio dos serviços profissionais, administrativos e complementares, cuja receita avançou 8,8% ante março de 2013. Com isso, a contribuição ficou em 1,9 ponto porcentual. Em 12 meses, o segmento apresenta aumento de 8,5% na receita nominal.

Na sequência, a receita dos serviços de informação e comunicação cresceu 4,4% no período, sem descontar o efeito do aumento de preços. Em 12 meses, a alta é de 7,0%. Os serviços prestados às famílias, por outro lado, tiveram receita 10,0% maior do que em março do ano passado e crescem 11,1% em 12 meses. Por fim, os outros serviços registraram expansão de 3,3% na receita bruta nominal em março ante igual mês de 2013, e de 6,3% em 12 meses.

O crescimento de 6,8% na receita bruta nominal de serviços em março na comparação com o mesmo mês do ano passado foi o menor desde agosto de 2013, quando a expansão foi de 6,6%. Além disso, o resultado de março de 2014 foi o terceiro pior de toda a série, iniciada em janeiro de 2012. Segundo o instituto, só foram registrados resultados piores em agosto do ano passado e em março de 2013 (+6,1%).

Tudo o que sabemos sobre:
serviçosIBGEmarçotransportes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.