Trens de passageiros e trem-bala Rio-São Paulo serão as próximas etapas

O governo estuda pôr em operação nos próximos anos 14 projetos de trens regionais de passageiro no País. A informação foi dada ontem pelo presidente da estatal Valec, José Francisco das Neves, o Juquinha. Segundo ele, esses trens devem funcionar em malhas já existentes, algumas em operação, outras ociosas ou abandonadas.Os estudos estão sendo conduzidos por uma parceria entre o Ministério dos Transportes, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Ministério de Cidades, Companhia de Trens Urbanos e entidades do setor. No momento, estão sendo contratadas empresas para os estudos de viabilidade econômica e social. Os trechos foram selecionados a partir de pesquisa que apontou 28 linhas potenciais.Desse total, 14 trechos espalhados pelo Brasil foram priorizados. No Sudeste, 2 estão em São Paulo, 2 em Minas Gerais e 2 no Rio de Janeiro; no Sul, 2 no Rio Grande do Sul, 1 em Santa Catarina e 1 no Paraná; e no Nordeste, 1 na Bahia, 1 em Sergipe, 1 em Pernambuco e 1 entre Maranhão e Piauí. A expectativa é que o processo de transferência para a iniciativa privada comece a partir de meados do ano que vem. Essa transferência poderá ser feita por meio de concessão ou Parceria Público-Privada (PPP). A extensão dos trechos varia de 60 km a 215 km.Esse conjunto de projetos não inclui o trem de alta velocidade entre Rio e São Paulo. Até agora a Valec comandou todo o estudo de viabilidade do projeto. Juquinha afirma que neste momento a empresa está terminando os trabalhos para o licenciamento ambiental da obra. ''''Ontem recebi um documento dos órgãos responsáveis pedindo para fazer uma análise sobre uma tribo indígena que fica a 14 km da estrada. É muito longe. Não tem por que a gente avaliar isso'''', destacou ele.O BNDES é responsável pela análise técnica e de demanda da obra. Pelo projeto, o trem de alta velocidade terá 403 km entre a Estação da Luz, em São Paulo, e a Central do Brasil, no Rio. Cerca de 200 km terão de ser construídos por túneis e pontes. O projeto exigirá US$ 9 bilhões de investimentos. A viagem vai durar 1h25 e custará US$ 60 (ou R$ 109).

Renée Pereira, O Estadao de S.Paulo

04 de outubro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.