Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Três bancos bloqueiam cartões de crédito para compras de bitcoins nos EUA

Citi, JP Morgan Chase e Bank of America estão impedindo compras de clientes por receio de aumentarem seus prejuízos

Agências, Dow Jones Newswires

03 Fevereiro 2018 | 22h39

Três dos maiores bancos dos Estados Unidos anunciaram nesta sexta-feira, 2, que não permitirão mais que os seus clientes de cartão de crédito comprem bitcoin utilizando os cartões. As decisões foram anunciadas depois de uma semana brutal para os preços de bitcoin, que caíram mais de 50% em relação ao seu pico em dezembro.

O Citigroup disse na noite de sexta-feira que decidiu parar de permitir que seus clientes de cartão de crédito comprem bitcoin com os cartões Citi. O banco está no processo de implementação do bloqueio, que se aplicará aos detentores de cartões de crédito da Citi globalmente. "Vamos continuar a rever nossa política à medida que esse mercado evolua", disse uma porta-voz do banco. O banco se junta ao JPMorgan Chase e ao Bank of America, que já haviam anunciado medidas semelhantes.

Os bancos estão preocupados com os riscos associados aos cartões de crédito sendo usados para comprar bitcoin. A Capital One Financial proibiu as compras de bitcoin em cartão de crédito em janeiro e a Discover Financial Services fez o mesmo em 2015.

Com os anúncios mais recentes, a maioria dos grandes emissores de cartão de crédito não permitirá compras de bitcoin. Uma das maiores preocupações para os bancos é que as compras de bitcoin elevarão as perdas de seus cartões. Isso inclui os titulares de cartões que não pagam suas contas quando o preço do bitcoin cai abaixo do que pagaram para comprá-lo com o cartão.

As perdas por fraude também são uma preocupação. Alguns emissores de cartões argumentam que existe risco de os titulares de cartões comprarem bitcoin de comerciantes fraudulentos. Os titulares de cartões contestariam então a compra, o que poderia resultar em prejuízo ao emissor do cartão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.