Três maiores bancos já reduziram juros ao consumidor

O corte de 0,50 ponto porcentual da Selic, a taxa básica de juros da economia, determinado na quarta-feira, pelo Comitê de Política Monetária (Copom), já começa a refletir no bolso do consumidor. Os três maiores bancos do País, Bradesco, Itaú e Unibanco, anunciaram ontem os porcentuais de redução das taxas de suas principais linhas de crédito, que incluem cheque especial e empréstimo pessoal. As reduções já estão sendo praticadas, com exceção do Unibanco, cuja redução valerá a partir de segunda-feira.Com a alteração, as taxas do Bradesco no cheque especial caíram de 9,7% para 9,5% ao mês; e no crédito pessoal, de 6,3% para 6% ao mês. Na linha de empréstimo pessoal, o corte representará 6,94 pontos porcentuais ao ano; e no cheque especial, 6,58 pontos. Segundo o vice-presidente executivo do Bradesco, Décio Tenerello, o banco aguarda agora a redução dos compulsórios sobre depósito à vista, de 60% para 45%.Segundo ele, se isso ocorrer esta semana, o banco repassará imediatamente o benefício para os consumidores, cortando os juros de todas as modalidades de crédito. No Itaú, as novas taxas de juros valem a partir de hoje. No cheque especial, a taxa máxima recuou de 9,8% para 9,6% ao mês e a mínima, de 6,9% para 6,8% ao mês. No crédito pessoal, a máxima caiu de 6,95% para 6,6% ao mês e a mínima de 4,5% para 4,3% ao mês. Segundo o banco, essa redução maior, no empréstimo pessoal, que representa 4,3 pontos porcentuais ao ano, apenas foi possível pela queda dos juros futuros, observada nas últimas semanas. "Na medida em que ocorrerem novas reduções de taxas pelo Copom e novas medidas, como reduções no compulsório, o Itaú estará ajustando suas taxas", afirmou o presidente do Banco, Roberto Setubal. No caso do Unibanco, os juros do crédito serão revisados a partir de segunda-feira. A taxa do cheque especial cairá de 9,4% para 9,3% ao mês, sendo uma das menores do mercado. A taxa mínima do empréstimo pessoal também teve um recuo expressivo, de 6,3% para 4,2% ao mês. Leia mais sobre o assunto no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.