Tatiana Lafraia/Estadão
Tatiana Lafraia/Estadão

Três meses de atraso e imóvel em leilão

Crise derrubou renda da família Moretti, que pagou R$ 150 mil de entrada por apartamento

Fernando Nakagawa, BRASÍLIA

27 de agosto de 2018 | 05h00

O sonho de Mírian Bigão Moretti acabou em 17 de outubro de 2017. Naquela terça-feira, a professora foi avisada de que o apartamento 903 do Edifício Enseada não pertencia mais à família Moretti. “O apartamento tinha uma varanda enorme. Avisaram em uma carta que não era mais nosso. Deve estar imundo, deve estar uma tristeza lá dentro.”

A economia ainda crescia quando a professora e o comerciante Wellington Ferreira começaram a pensar em trocar de imóvel. Colocaram à venda o antigo e pequeno apartamento e começaram a procurar outro na Ponta da Praia, em Santos, bairro onde o casal morava.

Encontraram um de três quartos e 141 metros quadrados de frente para o mar e a poucos metros da balsa que liga Santos a Guarujá. Pelo apartamento no 9.º andar do segundo mais antigo edifício construído na orla santista o casal ofereceu R$ 500 mil. Foram R$ 150 mil de entrada e o restante seria financiado em mais de 20 anos pelo banco Santander.

“Começamos a pagar os boletos em julho de 2015. A parcela era de R$ 5.148,30 e ia caindo aos poucos”, lembra. “Eu dava aula na rede municipal e meu marido cuidava da nossa loja de pescados. Tudo ia muito bem.” Naquela época, o Empório Fera Mar garantia boa parte das contas da família com a venda de pescados congelados, vinhos e temperos. “Mas aí veio a crise, o movimento caiu e cheques começaram a voltar. Nossa renda tinha caído à metade.”

Sem dinheiro, Mírian diz que o pagamento dos boletos começou a atrasar no primeiro semestre de 2017. “Deixamos de pagar uma e depois duas parcelas. Tentamos negociar, mas as condições eram muito duras.”

Quando a família acumulou três meses sem pagamento - pouco mais de R$ 15 mil -, uma empresa contratada pelo banco começou a pedir quase R$ 25 mil para evitar o despejo. “Tentei falar com o gerente da agência bancária, mas a dívida não estava mais lá.”

O Santander informou que “ofereceu diferentes alternativas de renegociação, incluindo fluxos de pagamento flexíveis, visando à adequação do vencimento e dos valores das parcelas à capacidade financeira da cliente”. Entre as propostas oferecidas ao casal houve até oferta de orientação financeira, diz o banco.

Procedimentos adotados

Mesmo assim, Mírian reclama que todo o processo de cobrança, liquidação e entrega do imóvel foi muito rápido. “Foram quatro ou cinco meses entre o atraso, a tentativa de negociar e o dia em que entregamos a chave na mão do juiz. Me dá até vontade de chorar”, lamenta.

Ela ressalta ainda que os procedimentos adotados pelo banco ignoraram dificuldades da família, como a filha de 13 anos com Síndrome de Down, e ainda expuseram o caso sem necessidade. “Ainda morávamos lá quando entregaram um folheto em cada caixa de correio do prédio para anunciar que nosso apartamento seria retomado e oferecido em leilão. Precisavam nos expor assim?”

O banco diz que o leilão “tem como objetivo a obtenção de melhores preços de venda”. Conforme o valor de venda da unidade em leilão, explica o Santander, pode haver, inclusive, “crédito ao cliente caso os valores superem os débitos”.

No site do banco, o apartamento 908 do Edifício Enseada aparece como “vendido”. Apesar disso, Mírian diz que não recebeu nenhum centavo até agora.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.