Tribunal colombiano derruba suspensão de processo de venda da Isagen

Uma liminar contra a venda de participação majoritária da Colômbia na geradora de energia Isagen, no mês passado, foi derrubada na quinta-feira depois que os ministérios das Finanças e Energia argumentaram que a venda não seria prejudicial para as finanças públicas.

Reuters

22 de maio de 2014 | 18h20

O governo colombiano está procurando levantar 5 trilhões de pesos (2,5 bilhões de dólares) com a venda de sua fatia de 57,6 por cento na Isagen, que opera seis geradoras de energia elétrica, e investir o dinheiro em melhorias de infraestrutura extremamente necessárias.

O Conselho de Estado, uma autoridade legal sênior que supervisiona o governo, derrubou liminar de 28 de março que suspendia a venda diante da reivindicação de um grupo de pressão de que o setor público perderia se o governo vendesse uma empresa lucrativa.

O Conselho aceitou o argumento do governo de que a venda não seria prejudicial para o público e também não encontrou indícios de irregularidades no processo de venda, o que o grupo de pressão Tax Justice Network havia suposto quando pediu a liminar.

O governo tem recebido interesse da norte-americana Duke Energy, China Haudian Corporation, Generco, da espanhola Gas Natural , do consórcio entre a brasileira Cemig e a colombiana Empresas Públicas de Medellín (EPM), e da da Empresa de Energia de Bogotá.

(Reportagem de Nelson Bocanegra e Carlos Vargas)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAISAGENCEMIG*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.