MARCOS DE PAULA/ESTADÃO
MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Tribunal rejeita contas de 2016 do governo Pezão em decisão unânime

Última vez em que o TCE tomou a decisão foi em 2003, quantos aos registros de 2002 dos governos Benedita da Silva e Anthony Garotinho

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2017 | 14h18

RIO - Em decisão unânime, o Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ) recomendou a rejeição das contas de 2016 do governo estadual, em gestão compartilhada entre o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e o vice Francisco Dornelles (PP). É a segunda vez na história que a corte defende a rejeição de contas. Em 2003, o TCE aprovou parecer contrário às contas do exercício de 2002 dos governos Benedita da Silva (PT) e Anthony Garotinho (no PSB, à época). 

O parecer é encaminhado, agora, para a Assembleia Legislativa (Alerj). Em março, a Comissão de Orçamento da Alerj aprovou as contas de 2015 de Pezão, mas até hoje os deputados estaduais não votaram o parecer do TCE-RJ em plenário. Ano passado, a corte de contas fluminense aprovou as contas de Pezão, mas com ressalvas. Participaram do julgamento os cinco conselheiros que foram presos, em março, na Operação O Quinto do Ouro, da Polícia Federal (PF). 

Corpo técnico do TCE recomenda rejeição das contas de Pezão e Dornelles

Votaram no julgamento das contas de 2016 a presidente em exercício, Marianna Willeman, e três conselheiros substitutos, que atuam no TCE-RJ desde que os cinco conselheiros foram afastados por causa das investigações. A rejeição poderá servir de combustível para a oposição na Alerj entrar com novos pedidos de impeachment de Pezão. Semana passada, o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), rejeitou todos os oito pedidos de impeachment contra Pezão.

Deputados aprovam aumento de contribuição previdenciária de servidor

O principal argumento para a rejeição das contas de 2016 é de que o governo descumpriu o investimento mínimo de 12% das receitas próprias na Saúde. O repasse, no ano passado, foi de 10,42%. 

O procurador Paulo Sérgio Teixeira, que atua junto ao TCE, apontou outras três irregularidades: a movimentação recursos para a Saúde fora do Fundo Estadual de Saúde, o que dificulta o controle dos investimentos; repasse inferior para o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), faltando transferir R$ 840 milhões; e o descumprimento do repasse constitucional para a Fundação de Amparo à Pesquisa (Faperj).

Rio consegue ampliar calamidade públicas nas finanças até o fim de 2018

O procurador descreveu ainda 26 impropriedades e fez 55 recomendações. "Nos tempos conturbados de crise política, de contínua exposição de corrupção sistêmica para a contratação de obras públicas, ganha relevância ímpar a atuação da corte de contas", afirmou Teixeira, logo no início de sua exposição.

Em seu voto, Marianna Willeman concordou com o procurador e considerou que as contas do Estado apresentaram quatro irregularidades. Na exposição de seu parecer pela rejeição das contas, ela lembrou que a execução orçamentária de 2016 teve um déficit de R$ 9,4 bilhões, o Rio Previdência teve um déficit de 11,5 bilhões, enquanto as renúncias fiscais somaram R$ 10 bilhões. 

"O Estado não dispõe de mecanismos confiáveis de aferição e controle dos benefícios fiscais, assunto abordado reiteradamente nas auditorias deste tribunal", afirmou. Marianna propôs ainda a instauração de auditorias para apurar obrigações do Tesouro com RioPrevidência, aferir a folha de pagamento, e aferir os sistemas de controle diário da execução orçamentária do Estado, entre outros temas.

Os conselheiros substitutos Rodrigo Melo do Nascimento, Marcelo Verdini Maia e Andrea Siqueira Martins votaram com a relatora. O conselheiro substituto Marcelo Verdini Maia ressaltou o "grave comprometimento de serviços públicos essenciais". E lembrou ainda do "desespero de servidores ativos e inativos" com os salários atrasados.

O parecer contrário às contas de 2016 afeta tanto Pezão quanto Dornelles. Ambos estiveram à frente do Executivo no ano passado. Dornelles governou entre 25 de março e 31 de outubro, enquanto Pezão esteve licenciado para o tratamento de um linfoma.

O TCE atua com três conselheiros substitutos com autorização do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Em 29 de março, o então presidente da casa, Aloysio Neves, e os conselheiros Domingos Brazão, José Gomes Graciosa, Marco Antônio Alencar e José Maurício Nolasco foram presos na Operação O Quinto do Ouro, um dos desdobramentos da Lava Jato. As prisões ocorreram a partir da delação premiada do conselheiro Jonas Lopes, que está licenciado. Os conselheiros estão afastados do cargo por decisão do STJ.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.