Trigo volta a subir com seca na Europa

Depois de três dias de quedas consecutivas, as cotações do trigo voltaram a subir ontem na Bolsa de Chicago, sustentadas pelas más condições climáticas em regiões produtoras do Hemisfério Norte. O contrato setembro - o mais negociado - fechou com alta de 1,95%, em US$ 5,8825 por bushel. Meteorologistas preveem que a estiagem vai persistir em grandes áreas da Rússia, Casaquistão, Ucrânia, e em outras áreas do Leste Europeu, pelos próximos dez dias.

Análise: Ana Conceição, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2010 | 00h00

A forte elevação dos preços do trigo em julho - 22% até ontem - contudo, levou muitos investidores a sair do mercado. Cautelosos, eles esperam novos fatores que influenciem as cotações e observam as exportações dos Estados Unidos, que diminuíram nas últimas semanas. A avaliação de alguns participantes do mercado é a de que as atuais cotações já refletem os problemas na safra europeia. Ainda em Chicago, as cotações do milho foram influenciadas pelas do trigo e também subiram. O contrato setembro avançou 1,54%, para US$ 3,7975 por bushel. Os ganhos foram limitados pelas boas condições climáticas para as lavouras nos Estados Unidos nesta semana.

O açúcar tipo demerara, negociado em Nova York, subiu novamente com o ritmo lento dos embarques no Brasil, provocado pela fila de navios nos portos de Santos e Paranaguá. O contrato outubro subiu 1,1%, para 17,47 centavos de dólar por libra-peso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.