Troca com troco é opção para quitar dívidas

Neste início de ano, as concessionárias têm registrado aumento de vendas de carro financiado no qual o cliente dá um usado como parte de pagamento e ainda leva como troco uma quantia em dinheiro, o processo conhecido como "troca com troco". Essa modalidade permite a troca de dívidas a juros em torno de 1,99% ao mês, menores, por exemplo, do que a do cartão de crédito que está por volta de 9% ao mês.Nessa modalidade de negócio, o cliente deixa seu carro como parte do pagamento de outro mais novo ou mesmo zero-quilômetro, sai da revenda com dinheiro no bolso, mas leva também uma dívida pela frente que pode ser parcelada em 24, 36 ou mesmo 48 meses. A entrada pode ser dividida em até quatro prestações. "Aumentamos nossas vendas em quase 20% de dezembro para janeiro em grande parte graças a esse sistema.", comemora Wágner Mazza, gerente da concessionária Volkswagen Nova Geração, de Guarulhos.Troca de dívidas a juros menoresA troca com troco tem muitas variantes. Um exemplo: o consumidor tem um usado que vale cerca de 50% do valor de um novo. Ele opta pela troca, mas pagando apenas o mínimo de entrada, que é de 20% no caso dos Volkswagen. Ele pode optar por pagar a entrada mínima no ato da compra e usar os outros 30% para quitar eventuais dívidas ou mesmo dividir o sinal em até quatro parcelas, deixando sobrar uma fatia ainda maior do dinheiro.Se a dívida for com o cartão de crédito, o consumidor vai sair de juros mensais na casa dos 9% e passar para um crediário com taxas muito menores, na média de 1,99% ao mês. Há casos em que nem são cobrados juros, como nos seminovos da própria Nova Geração, com 10% de entrada e saldo em 24 pagamentos - com a troca com troco, a loja bateu seu recorde, comercializando 170 automóveis no mês passado. "Oferecemos ainda gratuitamente a transferência e a primeira parcela do IPVA", garante o gerente de vendas.Segundo Mazza e outros gerentes de distribuidoras autorizadas, a liberação do dinheiro para o cliente ocorre em um prazo médio de três dias. "É só o tempo de aprovação do cadastro", conta Paulo Rossini, gerente da Ford Lemar, no Jabaquara. Rossini lembra que é comum também quem procura a troca com troco para quitar imóveis, pagamento de viagens etc. "O ano todo oferecemos esse tipo de negócio, mas a procura sempre cresce no começo de cada ano".Antes de fechar negócio, porém, o interessado deve conferir se seu carro usado está sendo avaliado por um preço justo. Todo domingo, o Estado traz a cotação média dos veículos usados, e o preço sugerido pelas montadoras para os novos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.