Troca em ministério boliviano agrada Petrobras

O gerente-executivo da Petrobras, Luis Carlos Moreira da Silva, disse nesta terça-feira que a mudança no comando do Ministério de Hidrocarbonetos da Bolívia foi uma "boa notícia", pois significa que o governo de La Paz "continua tentando chegar a um acordo" com a estatal brasileira.Andrés Soliz Rada renunciou na última sexta ao cargo de ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia após ser desautorizado pelo governo quando pretendia conceder à estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) o monopólio do mercado dos hidrocarbonetos líquidos produzidos pelas refinarias da Petrobras.O novo ministro de Hidrocarbonetos boliviano, Carlos Villegas, esclareceu na última segunda que a medida - muito criticada no Brasil - foi "congelada" para gerar "condições favoráveis para a negociação". Entretanto, ele disse que a iniciativa não foi cancelada e que a Petrobras não vencerá a disputa com a Bolívia, pois "a resolução será aplicada".A mudança de ministro "seria uma indicação de que as posições mais radicais não foram vitoriosas dentro do governo da Bolívia", disse Moreira da Silva à imprensa após participar do seminário Petróleo e Dinheiro, que acabou nesta terça em Londres."Acreditamos em uma situação negociada. Parece que a tese de levar em frente o caminho negociado é uma possibilidade mais aceita", declarou. Na sua opinião, Soliz exercia seu cargo "de forma muito política", "muito ideológica" o que dificultava as negociações."No Brasil se diz que a política é a arte do possível. É necessário que, politicamente, se alcance uma solução possível para os dois lados. Caso um tenha uma posição ideológica, é inflexível e a negociação é muito difícil", acrescentou.Ele admitiu que as negociações com a Bolívia são "difíceis", mas expressou a esperança de que as coisas poderão ser acertadas.A nacionalização dos hidrocarbonetos, decretada em maio pelo presidente Evo Morales, enfrentou muitas dificuldades até agora para ser aplicada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.