Troica dá sinal verde para liberar € 2,8 bi à Grécia

Credores internacionais terminaram a última revisão sobre o resgate de € 240 bilhões ao país, vinculado a rígidas metas de austeridade

BRUXELAS, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2013 | 02h09

A Grécia está no caminho certo para cumprir as condições de seu programa de resgate internacional, abrindo caminho para receber o pagamento de uma nova fatia de ajuda financeira, disseram ontem os credores internacionais após chegar a um acordo sobre as metas econômicas do país.

"A visão da missão é a de que a sustentabilidade da dívida continua no caminho certo", afirmou o grupo conhecido como troica, que inclui a Comissão Europeia, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Central Europeu (BCE), em comunicado.

As recentes medidas tomadas pelas autoridades sugerem que os marcos de março devem ser alcançados no futuro próximo, e "o desembolso da parcela de € 2,8 bilhões (US$ 3,7 bilhões) de ajuda poderá ser acordado logo pelos Estados-membros da zona do euro", disseram os credores.

Os credores internacionais terminaram a sua última revisão sobre o resgate internacional da Grécia de € 240 bilhões, cujo pagamento está vinculado a rígidas metas de austeridade.

O ministro de Finanças alemão, Wolfgang Schaueble, disse no sábado que a parcela de março de € 2,8 bilhões de resgate ainda não havia sido liberada porque a Grécia não cumpriu alguns dos pontos do resgate.

No entanto, a troica disse ontem que a Grécia está "no caminho certo" para cumprir as metas fiscais, apontando para "contínuas perspectivas de um retorno gradual ao crescimento em 2014", e "progressos importantes sobre medidas para melhorar cobranças de impostos e de dívidas".

A recapitalização dos bancos da Grécia está "em fase de conclusão", com grande parte dos 50 bilhões - disponíveis sob o programa de ajuda - já desembolsados para os bancos, disse o comunicado. "A avaliação da missão é que isso fornecerá capital adequado, mesmo sob um cenário significativamente adverso", disseram os credores.

O Eurogrupo, composto por ministros de Finanças da zona do euro, e o conselho executivo do FMI devem considerar a aprovação da revisão em maio, disse o comunicado.

"Estou muito satisfeito que o governo está fazendo um esforço particularmente determinado nessa área", disse o chefe da missão do FMI para a Grécia, Poul Thomsen, em conferência em Atenas.

Medida. Os credores também convenceram Atenas a congelar os planos para a fusão entre o Banco Nacional e o Eurobank, respectivamente a principal e a terceira maior instituição financiadora do país. Os credores temiam que a estrutura bancária se tornasse grande demais para ser vendida a investidores privados depois de seu resgate com financiamento público.

O acordo com os seus credores abre o caminho para mais € 6 bilhões a serem desembolsados em maio, afirmou o primeiro-ministro grego, Antonis Samaras.

Samaras, que lidera a frágil coalizão de três partidos, disse que o acordo mostrou que a Grécia está conseguindo ficar fora de dificuldade mesmo com outros países da zona do euro atolados na crise. "Até recentemente, a Grécia era o mal exemplo", disse ele em pronunciamento na TV. "Agora, a Grécia está protegida e são outros Estados-membros que estão enfrentando problemas." / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.