FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Trump ameaça 'taxar como nunca antes' se Harley-Davidson retirar produção dos EUA

Fabricante de motocicletas decidiu transferir para o exterior a produção de unidades que são vendidas à União Europeia após a tarifa cobrada por Bruxelas saltar de 6% para 31%

Niviane Magalhães, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 10h51

O presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou "taxar como nunca antes" a Harley-Davidson e que montadora de motocicletas estava usando tensões comerciais crescentes como uma desculpa para justificar mudanças planejadas na produção no exterior.

+ Harley-Davidson culpa tarifas europeias e deve tirar parte da produção dos EUA

+ Trump ameaça impor mais tarifas a produtos importados

"A Harley-Davidson nunca deve ser construída em outro país - nunca! Seus funcionários e clientes já estão muito zangados com eles. Se eles se mudarem, veja, será o começo do fim - eles se renderam, eles vão desistir! A Aura vai se vai e eles serão taxados como nunca antes!", escreveu Trump em sua conta no Twitter. 

+ EUA impõe tarifas ao aço e ao alumínio do México, do Canadá e da UE

+ China admite que está em 'guerra comercial' e ameaça retaliar EUA

Mais cedo, Trump escreveu que a Harley-Davidson já havia anunciado no começo do ano que iria transferir significativa parte de suas operações de Kansas para a Tailândia, "bem antes" do anúncio de tarifas. "Desta forma, eles (a Harley-Davidson) só usaram as tarifas/guerra comercial como desculpa. (Isso) mostra como o comércio é desequilibrado e injusto, mas vamos consertar isso...", disse o presidente americano.

+ CELSO MING O surfe de Trump

Ontem, Trump já havia dito ter ficado "surpreso" que, "de todas as companhias", a Harley-Davidson seria a primeira a "jogar a toalha". 

A fabricante de motocicletas decidiu transferir para o exterior em até 18 meses a produção de unidades hoje vendidas à União Europeia. Na sexta-feira, a tarifa de importação cobrada por Bruxelas sobre as motos americanas saltou de 6% para 31%, um movimento destinado a retaliar as tarifas de Washington sobre a importação de aço e alumínio europeus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.