Brendan Smialowski/AFP
Brendan Smialowski/AFP

Trump dá impulso a acordo que se arrasta há 18 anos

Um entendimento com o Mercosul passou a ser encarado pelos europeus como uma resposta à onda protecionista no comércio mundial

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2017 | 23h18

Involuntariamente, o presidente Donald Trump está dando um impulso que pode ser decisivo para a conclusão do acordo entre o Mercosul e a União Europeia, cujas negociações se arrastam há 18 anos. Os europeus voltaram sua energia para a América do Sul depois que seu acordo comercial com os EUA foi deixado de lado. Um entendimento com o Mercosul passou a ser encarado pelos europeus como uma resposta à onda protecionista no comércio mundial.

O acordo é ajudado também pela mudança de orientação política. Brasil e Argentina, que antes estavam alinhados contra o livre-comércio, agora estão de acordo na estratégia de aumentar as exportações para recuperar suas economias.

++Mercosul pode buscar acordos comerciais com Canadá, Austrália e Nova Zelândia

Graças a essa conjuntura positiva, as negociações avançaram rapidamente nos últimos 17 meses. O bom andamento permitiu fixar como meta o fechamento do acordo até o final deste ano, ficando apenas detalhes para 2018.

Mas as conversas, até agora, passaram ao largo do tema mais polêmico: a troca de mercadorias. Os europeus protelaram a apresentação de sua oferta para etanol e carne, alegando dificuldades de chegar a um entendimento por causa do calendário eleitoral na França e na Alemanha.

++Brasil importa mais e estimula comércio mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.