Lukas Coch / EFE
Lukas Coch / EFE

Trump diz que China cortará tarifas de carros dos EUA após trégua comercial

Presidente dos Estados Unidos também classificou trégua comercial com a China como 'grande avanço'

Reuters

03 Dezembro 2018 | 13h45

A China concordou em “reduzir e remover” tarifas abaixo do nível de 40% que Pequim cobra atualmente de veículos fabricados nos Estados Unidos, disse o presidente Donald Trump, agora que uma trégua comercial entre os dois países está ganhando impulso e animando os mercados.

Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, concordaram em adiar novas tarifas durante conversas na Argentina no último sábado, 1º, declarando uma trégua depois de meses de escalada nas tensões no comércio e em outras áreas.

O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, classificou a trégua como um avanço entre os dois países, com um claro comprometimento da China de que haverá um “acordo real” que atenda as preocupações norte-americanas. 

Em um encontro de duas horas e meia, os EUA concordaram em não elevar mais as tarifas em 1º de janeiro, e a China concordou em comprar mais produtos agrícolas dos agricultores norte-americanos imediatamente.

Os dois lados também concordaram em iniciar debates sobre como resolver assuntos preocupantes, como a proteção à propriedade intelectual, barreiras comerciais não-tarifárias e o roubo cibernético.

Mas a Casa Branca também disse que as atuais tarifas de 10% sobre 200 bilhões de dólares de bens chineses serão elevadas para 25% se não se chegar a um acordo dentro de 90 dias, o que reinicia o cronômetro.

Tuitando na noite de sábado, Trump disse: “A China concordou em reduzir e remover tarifas sobre carros indo dos EUA para a China. Atualmente a tarifa é de 40%”. Ele não deu detalhes.

Agências reguladoras da China não responderam a pedidos de comentário sobre o que seria um impulso em potencial para montadoras como Tesla e BMW, que fabricam nos EUA e exportam para a China.

Nenhum dos países mencionou tarifas a automóveis nas transcrições oficiais da reunião Trump-Xi.

Falando em Pequim, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, reiterou comentários do principal diplomata do governo, o conselheiro de Estado Wang Yi, que disse no sábado que o objetivo final é a eliminação de todas as tarifas.

“O consenso obtido pelos líderes de nossos dois países é deter a imposição de novas tarifas, e ao mesmo tempo os líderes dos dois lados instruíram as equipes econômicas dos dois lados a intensificarem as conversas para a remoção de todas as tarifas que foram impostas”, disse Geng em um boletim de notícias diário.

As ações e commodities chinesas e a moeda iuan tiveram alta, apesar das incertezas que pairam sobre o acordo. O índice de referência Shanghai Composite fechou o pregão 2,6% mais elevado com 2.654,80 pontos, e o índice blue-chip CSI300 subiu 2,8% - ambos tiveram seus maiores ganhos diários desde 2 de novembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.