Amanda Voisard/The Washington Post
Amanda Voisard/The Washington Post

Trump instrui republicanos a pararem negociação de pacote fiscal até depois da eleição

Presidente americano também rejeitou a proposta dos democratas de estímulos avaliados em US$ 2,4 tri, mas compartilhou uma notícia em que o presidente do Fed alerta sobre a importância dos incentivos

Iander Porcella, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2020 | 16h47
Atualizado 06 de outubro de 2020 | 21h17

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rejeitou a proposta do Partido Democrata para mais estímulos à economia e disse que instruiu os republicanos a pararem de negociar o pacote fiscal até depois da eleição presidencial de 3 de novembro. No entanto, após a publicação, Trump compartilhou uma notícia na qual o presidente do Federal Reserve (Fed, o BC americano) alerta sobre a importância de novas medidas de incentivo e escreveu "verdade!".

"Imediatamente após minha vitória, aprovaremos uma importante lei de estímulo que se concentra nos americanos trabalhadores e nas pequenas empresas", escreveu o republicano em sua conta oficial no Twitter. Ele recupera da covid-19 na Casa Branca, depois de ter tido alta do hospital na segunda-feira, 5.

Trump afirmou ainda que o montante de US$ 2,4 trilhões em estímulos, proposto pela presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, serviria para resgatar Estados democratas "mal administrados e com alto índice de criminalidade". "Fizemos uma oferta muito generosa de US$ 1,6 trilhão de dólares e, como sempre, ela [Pelosi] não está negociando de boa fé. Rejeito o pedido deles e olho para o futuro do nosso país", enfatizou Trump.

O republicano disse, ainda, que pediu ao líder de seu partido no Senado, Mitch McConnell, que se concentre na aprovação da juíza Amy Coney Barrett para a Suprema Corte, indicação feita por Trump após a morte da juíza Ruth Bader Ginsburg.

"Nossa economia está indo muito bem. O mercado de ações está em níveis recordes, os empregos e o desemprego também estão voltando em números recordes. Estamos liderando o mundo em recuperação econômica, e O MELHOR ESTÁ POR VIR!", escreveu Trump no Twitter.

Mais tarde, porém, o presidente americano voltou ao Twitter para compartilhar uma notícia da CNBC na qual Jerome Powell, presidente do Fed, alerta para a importância do Congresso aprovar mais estímulos fiscais, e escreveu "verdade!".

Após compartilhar a notícia que citava Powell, o líder da Casa Branca voltou a acusar Nancy Pelosi e os "esquerdistas radicais do Partido Democrata" de estarem "jogando" com as tratativas por mais estímulos. "Eles só queriam cuidar de democratas fracassados, alto índice de criminalidade, cidades e Estados. Eles nunca estiveram lá para ajudar os trabalhadores, e nunca estarão!", escreveu o republicano. 

Nos últimos dias, Pelosi e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, vinham conversando diariamente para tentar chegar a um entendimento sobre o pacote fiscal, mas nenhum consenso foi alcançado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.