REUTERS/Carlo Allegri
REUTERS/Carlo Allegri

Trump se diz surpreso por Harley ser a primeira companhia a 'jogar a toalha'

Trump comentou em rede social a decisão da empresa de transferir em até 18 meses parte da produção para fora dos Estados Unidos para driblar tarifas da União Europeia

Nicholas Shores, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2018 | 19h51

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta segunda-feira, 25, estar "surpreso" que, "de todas as companhias", a Harley-Davidson seria a primeira a "jogar a toalha", em referência à decisão da fabricante de motocicletas de transferir para o exterior em até 18 meses a produção de unidades hoje vendidas à União Europeia. Na sexta-feira, a tarifa de importação cobrada por Bruexelas sobre as icônicas motos americanas saltou de 6% para 31%, um movimento destinado a retaliar as tarifas de Washington sobre a importação de aço e alumínio europeus.

+ Harley-Davidson culpa tarifas europeias e deve tirar parte da produção dos EUA

"Lutei duro por eles e em última instância eles não pagarão tarifas vendendo para dentro da UE, que nos machucou feio no comércio, (saldo comercial) negativo em US$ 151 bilhões", escreveu Trump em sua conta no Twitter. "Taxas (são) só uma desculpa da Harley - sejam pacientes!", concluiu.

+ EUA impõe tarifas ao aço e ao alumínio do México, do Canadá e da UE

Caso. Na semana passada a União Europeia revidou contra as tarifas impostas por Trump sobre o aço e o alumínio com penalidades sobre o equivalente a US$ 3,2 bilhões de produtos dos Estados Unidos, incluindo o uísque americano, suco de laranja, cartas de baralho e as motos Harley-Davidson.

+ UE vai impor tarifas a US$ 3,2 bi de produtos importados dos Estados Unidos

Na segunda-feira a companhia com em Wisconsin declarou que as tarifas impostas pelos europeus sobre suas motocicletas aumentaram de 6% para 31%,  o que levará a uma aumento de US$2.200 em média do valor de cada moto exportada dos Estados Unidos para o bloco europeu. Em vez de transferir esse custo, a companhia mudará a produção para fábricas no exterior de modo a evitar as tarifas européias.

“Achamos que o tremendo aumento de custos, se o passarmos para nossas concessionárias e clientes, terá um efeito nocivo imediato e duradouro para os negócios da companhia na região, reduzindo o acesso do consumidor aos produtos Harley-Davidson e impactando negativamente a sustentabilidade das suas concessionárias”, informou a companhia em seu registro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.