Orestis Panagiotou/EFE
Orestis Panagiotou/EFE

Nunca tive intenção de tirar a Grécia da zona do euro, diz Tsipras

Primeiro-ministro grego saiu em defesa do plano B e disse que o governo tinha a obrigação de se preparar para a ameaça de uma saída do bloco

Agência Estado e Reuters

31 de julho de 2015 | 07h47

ATENAS - O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, disse nesta sexta-feira, 31, que nunca teve a intenção de tirar seu país da zona do euro, mas que realmente pediu ao seu então ministro das Finanças para preparar um plano de contingência, no caso de que o país se visse forçado a dar esse passo. "Claro, obviamente, eu ordenei pessoalmente a o ex-ministro das Finanças Yannis Varoufakis que organizasse uma equipe para gerenciar uma situação de emergência", afirmou ele aos congressistas, no Parlamento em Atenas. Tsipras disse que o governo tinha a obrigação de se preparar para a ameaça de uma saída.

Tsipras foi forçado a responder a questão no Parlamento depois que Varoufakis, revelou nesta semana esforços para violar informações tributárias com objetivo de criar um sistema paralelo de pagamentos, causando choque e indignação na Grécia. As declarações foram dadas após um telefonema de Varoufakis com investidores internacionais, tornado público nesta semana. Durante esse telefonema, o ex-ministro afirmou que contratou meses atrás um amigo, especialista em computação, para invadir dados oficiais e obter informação necessária para estabelecer um sistema paralelo de pagamentos, baseado na emissão de títulos por Atenas, caso o país não pudesse mais usar o euro.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
'Não desenvolvemos ou tínhamos um plano para tirar o país do euro, mas realmente tínhamos planos de emergência', disse Tsipras ao Parlamento
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Varoufakis foi demitido do posto de ministro das Finanças por Tsipras no início de junho, para ajudar na negociação com os credores. Nesta semana, a Suprema Corte grega enviou ao Parlamento o caso de dois processos contra Varoufakis, apresentados por cidadãos. O Parlamento terá de decidir se o ex-ministro deve ter imunidade ou se pode ser julgado. Os processos foram apresentados após as últimas revelações do ex-ministro de que tentou estabelecer um sistema de pagamentos paralelo.

"Não desenvolvemos ou tínhamos um plano para tirar o país do euro, mas realmente tínhamos planos de emergência", disse Tsipras ao Parlamento. "Se nossos parceiros e credores haviam preparado um plano para a saída da Grécia, nós como governo não deveríamos ter preparado nossa defesa?", afirmou. Ele comparou o plano a um país preparando suas defesas antes de uma guerra, dizendo que é obrigação de um governo responsável ter planos de contingência prontos.

O primeiro ministro ainda disse que a ideia de um banco de dados fornecendo senhas de gregos para realizar pagamentos para quitar valores em atraso dificilmente era "um plano secreto e satânico para tirar o país do euro".

Tudo o que sabemos sobre:
GréciaAlexis Tsipras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.