AP Photo/Silvia Izquierdo
AP Photo/Silvia Izquierdo

TST considera ilegal greve dos petroleiros e impõe multa de R$ 500 mil

Para o governo, ato tem 'natureza político-ideológica'; paralisação está marcada para se iniciar à meia-noite

Julia Lindner e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2018 | 21h03

BRASÍLIA - A Advocacia-Geral da União (AGU) informou na noite desta terça-feira, 29, que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerou ilegal a greve dos petroleiros, marcada para a 0 hora desta quarta-feira, 30. O tribunal estipulou multa diária de R$ 500 mil, em caso de descumprimento.

+++ AO VIVO: Acompanhe em tempo real as notícias sobre a paralisação dos caminhoneiros

Para o governo, a paralisação dos petroleiros, neste momento, tem "natureza político-ideológica". Na ação, para justificar que a greve é política, a AGU e a Petrobrás informam que os petroleiros pedem, por exemplo, a demissão do presidente da empresa, Pedro Parente.

+++ Na BR-040, resistência de caminhoneiros tem ajuda de fiéis católicos

A Advocacia-Geral argumenta ainda que o acordo coletivo celebrado entre a empresa e seus funcionários está vigente até 2019, o que comprovaria o caráter político e não trabalhista da paralisação.

+++ Petroleiros do País estudam fazer greve por tempo indeterminado

Para a advogada-geral da União, ministra Grace Mendonça, "a sociedade brasileira não pode ser penalizada com a ausência de serviços essenciais por causa de uma greve que não respeita as exigências legais".

A ministra classifica a paralisação ainda como "oportunista" e considera "inadmissível" a ação de determinado grupo prejudicando um serviço público essencial, trazendo prejuízo para toda a sociedade. 

Greve dos Caminhoneiros AO VIVO

Acompanhe aqui outras notícias sobre a greve dos caminhoneiros minuto a minuto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.