REUTERS/Luisa Gonzalez
REUTERS/Luisa Gonzalez

Tudo é negociável na reforma dos militares, diz Mourão

Vice-presidente destacou importância da integralidade e da paridade e disse que projeto deve mexer em cinco leis, entre elas as que estabelecem critérios de promoções para oficiais e praças

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2019 | 04h38

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou que "tudo é negociável" nas discussões sobre o novo regime previdenciário das Forças Armadas. Entretanto, destacou a importância da integralidade e da paridade, afirmando que a categoria, além de ser mal remunerada se comparada a outras carreiras de Estado, também sofre com o "trauma" de uma medida provisória de 2001 (MP 2215/2001) que eliminou benefícios sem uma regra de transição.

"O pessoal mais novo, que está ativa hoje, olha (e pensa) 'será que vamos perder tudo de novo'"?, disse, em entrevista à GloboNews na noite desta quarta-feira, 27.

Ainda de acordo com Mourão, o projeto dos militares vai mexer em cinco leis, como as que estabelecem as promoções de oficiais e praças. "Os militares vão aumentar o tempo de serviço na ativa, haverá um pagamento das pensionistas, dos cadetes, dos soldados que são engajados e não pagam, e vai haver aumento progressivo da alíquota que é descontada hoje para pensão dos militares", acrescentou.

Sobre a reforma geral da Previdência, o vice-presidente afirmou que o governo federal precisa realizar esforços de comunicação para convencer tanto o Legislativo quanto a sociedade da necessidade do projeto. Perguntado se, em prol da reforma da Previdência, o presidente Jair Bolsonaro deveria fazer nova declaração pública de que não pretende disputar uma reeleição, Mourão respondeu: "Vamos ver como ele vai reagir".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.