Silvia Izquierdo/AP
Silvia Izquierdo/AP

'Tudo é política nessa vida', diz sindicalista sobre greve dos petroleiros

José Maria Rangel, principal líder da greve dos petroleiros, rebateu argumento do presidente da Petrobras, Pedro Parente, de que a paralisação é política

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 19h33

RIO - O coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel, principal líder da greve dos petroleiros, rebateu hoje em um programa no You Tube o argumento do presidente da Petrobras, Pedro Parente, de que a paralisação da categoria é política.

+ TST aumenta multa contra petroleiros de R$ 500 mil para R$ 2 milhões por dia

Em entrevista a blogueiros, Rangel afirmou que “tudo é política nessa vida”, e culpou a orientação política de Parente de querer desmantelar a Petrobras. Parente foi ministro da Casa Civil durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Rangel defende que, como empresa pública, a Petrobras tem obrigações com a sociedade, e não pode aumentar o preço dos combustíveis da maneira que está fazendo.

“A Petrobras ainda é uma empresa do estado, então penso eu que é para o povo brasileiro que essa empresa tem que concentrar seus esforços”, afirmou o coordenador da FUP.

+ Petrobrás envia equipes de contingência para render grevistas

Ele lembrou que ao assumir o governo, um das primeiras decisões do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi manter o preço do gás de cozinha em patamares aceitáveis, o que não está acontecendo com a política adotada por Parente. Desde julho do ano passado, a Petrobras passou a ajustar os preços dos seus produtos de acordo com o mercado internacional, o que trouxe maior volatilidade aos preços.

“O presidente Lula teve a sensibilidade de ver que o gás de cozinha faz parte da cesta básica do brasileiro. A Petrobras passou a ter participação em todas as distribuidoras e assim conseguiu regular o mercado. No governo do PT, o gás de cozinha saiu de R$ 30 para R$ 40 e poucos, ajuste menor que a inflação, agora disparou”, observou Rangel.

Os ajustes diários do gás de cozinha desde julho de 2017 passaram a ser trimestrais em janeiro de 2018. Na época, Parente argumentou que a medida visava suavizar os repasses da volatilidade dos preços ocorridos no mercado internacional para o preço doméstico. 

+ Petroleiros mantêm greve, mas descartam falta de combustíveis

Rangel acusa também Parente de ter “a opção política” de sucatear o parque de refino da empresa, reduzindo uma capacidade que já foi de 2 milhões de barris diários no governo Dilma Rousseff. Segundo ele, as refinarias da companhia hoje operam com cerca de 60% da sua capacidade, que chegava a quase 100% no governo anterior. Com menos refino interno, ressaltou, o País precisa importar mais derivados e o preço sobe.

“E é isso que estamos contestando na greve, não vamos falar amém para ele”, afirmou. “As pessoas estão indignadas em pagar R$ 5 no litro da gasolina, mas não lutam contra isso e os petroleiros estão fazendo isso, ao mesmo tempo em que faz a defesa da nossa empresa”, afirmou o sindicalista.

+ Petrobrás prorroga seguro com Chubb, Tokio e BB Mapfre

+ Rodrigo Maia quer dar subsídio para gás de cozinha

A reivindicação da greve dos petroleiros é por preços mais baixos para a gasolina, o diesel e o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP); maior processamento de petróleo nas refinarias da empresa; e a demissão de Pedro Parente.

A Petrobras foi procurada pela reportagem do Estadão/Broadcast, mas ainda não se posicionou.

Mais conteúdo sobre:
petroleiro greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.