Tupi começa produzir hoje, mas capacidade máxima só em 2012

Dificuldade em escoar gás associado ao petróleo limita aumento da produção que chegará a 100 mil barris por dia

Nicola Pamplona e Kelly Lima, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2010 | 00h00

O navio-plataforma Cidade Angra dos Reis, que vai ser inaugurado hoje na área de Tupi, deve atingir capacidade máxima de 100 mil barris por dia só em 2012, disse o gerente executivo para a área do pré-sal da Petrobrás, José Formigli. Segundo ele, este ano a unidade deve conectar apenas dois dos seis poços previstos para a área e entrará em janeiro produzindo 30 mil barris por dia.

A previsão é de que, na média do ano, a unidade produza 50 mil barris por dia e chegue a um pico de 70 a 75 mil barris por dia em dezembro. Nesse mês, o pré-sal da Bacia de Santos terá produção em torno dos 100 mil barris por dia, somando Tupi mais os testes de longa duração de Tupi Nordeste e Guará.

Muito gás. Segundo Formigli, o aumento da capacidade de Tupi está limitado pela impossibilidade de escoar o gás associado ao petróleo que é extraído do local. A Petrobrás não tem autorização da Agência Nacional do Petróleo (ANP) para queimar o gás em elevados volumes na região e precisa concluir um trecho do gasoduto ligando Caraguatatuba a Taubaté para dar destino comercial ao gás produzido no local.

O óleo produzido será escoado por navios aliviadores para terminais instalados em terra. Já o gás, segundo ele, será separado do óleo nas instalações do navio. Uma parte será aproveitada para geração de energia a bordo e o excedente terá dois destinos: poderá continuar sendo reinjetado no reservatório de petróleo no processo de produção ou exportado para terra por gasoduto que ligará Tupi à plataforma de Mexilhão, que opera um campo de gás na mesma bacia em águas rasas.

De Mexilhão, o gás será escoado para a Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato, em construção na cidade de Caraguatatuba (SP). Ali ele será tratado antes de ser despachado para o mercado consumidor.

Formigli disse que a plataforma Cidade de São Vicente que hoje produz cerca de 15 mil barris por dia no Teste de Longa Duração (TLD) de Tupi, vai para Tupi Nordeste, onde deverá produzir cerca de 15 mil barris por dia. Também para o polo do pré-sal da Bacia de Santos está previsto um TLD para Guará, no bloco BM-S-9, com início de produção em novembro, também para 15 mil barris por dia.

Indagado sobre o aspecto político de inaugurar a unidade a poucos dias do segundo turno das eleições, Formigli comentou que não faria sentido adiar o início da produção. "Só se tivesse havido algum atraso e a conjunção técnica não fosse favorável. É uma operação que envolve centenas de pessoas e não é assim um ato de Deus", rebateu. "O início da produção está associado à nossa indústria e não ligado às eleições."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.