Turbulência não muda previsão de crescimento, diz Meirelles

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse neste domingo que a turbulência política das últimas semanas não mudou as estimativas de crescimento da economia do País para este ano, de 3,5%. "Não estamos fazendo previsões específicas para cada mês ou para o curtíssimo prazo, mas o BC mantém a suas previsões de crescimento de 3,5% para este ano", disse Meirelles, depois de ter participado de um debate sobre responsabilidades e limites do governo e dos bancos, junto com outras autoridades monetários de outros países. Política adequada Indagado se a política monetária não estava apertada ou rígida demais para a recuperação da economia brasileira, Meirelles respondeu: "Nós pensamos que a política monetária é adequada e os resultados mostram isso." De acordo com o presidente do BC, a inflação nos últimos 12 meses está dentro da meta do governo e das expectativas do mercado. Segundo Meirelles, as exportações estão indo muito bem, mostrando recordes no superávit da balança comercial. Fundamentos fortes Ele afirmou ainda que o balanço de pagamentos também tem mostrado superávit e que o perfil da dívida interna está melhorando consideravelmente. "Os fundamentos (macroeconômicos) estão muito mais fortes e tudo isso indica que estamos na direção certa", sustentou. Ainda em tom de confiança, Meirelles disse que o Brasil está preparado pare enfrentar problemas que vêm de fora. Bancos privatizados Meirelles, que chegou pela manhã a Lima, onde participa da 45.ª Assembléia de Governadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), tinha, na tarde deste domingo, uma séerie de encontros com investidores e almoço organizado pelo CFSB. Durante a sua participaçãoo no seminário, o presidente do BC fez um ligeiro relato sobre a situação do sistema financeiro brasileiro. De acordo com ele, as privatizações dos bancos públicos foram uma experiência de sucesso no País.

Agencia Estado,

28 Março 2004 | 16h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.