Turistas lutam para encontrar passagens ao Brasil

A suspensão de vôos da Varig e um aumento do interesse pelo Brasil fizeram com que a busca por uma passagem para o Brasil se tornasse uma tarefa quase impossível neste verão europeu. Segundo representantes de agências de viagem, a busca por lugares em vôos para o Brasil tem sido extremamente difícil especialmente neste mês de agosto, período de férias escolares na Europa."Nas duas primeiras semanas de agosto foi bem complicado, porque é um dos períodos mais procurados de passagens para o Brasil. E, como houve o cancelamento dos vôos da Varig, os vôos ficaram bem lotados", afirma a supervisora da agência de viagens Bravo Travel, em Londres, Ana Paula Carvalho."Teve dias que nós não conseguíamos achar disponibilidade nenhuma." "Nós tivemos uma procura gigantesca no mês de agosto", afirma o diretor de uma outra agência de turismo, a Steamond Travel, Márcio Ferreira da Silva.Segundo ele, o número de reservas para a British Airways, por exemplo, triplicou no mês de agosto. A situação está difícil mesmo para os meses de setembro a novembro, considerados de baixa temporada. "Normalmente nesta época as companhias oferecem promoções porque os vôos não estão tão lotados, mas neste ano está bem diferente. A procura aumentou tanto, e as pessoas fizeram reservas com tanta antecedência que hoje, se você precisar viajar agora no mês de setembro, vai pagar um preço alto", afirma Ana Paula.Segundo ela, em média o preço da passagem para períodos de baixa temporada é de cerca de 500 libras esterlinas (cerca de R$ 2 mil), mas neste ano o preço está, em média, variando entre as 600 e 700 libras.Varig A suspensão dos vôos da Varig tiveram um peso grande neste quadro, já que agora apenas a British Airways faz vôos diretos de Londres para São Paulo.Mas Márcio da Silva acredita que outros fatores podem estar contribuindo para que haja mesmo um aumento na procura por passagens para o Brasil.Segundo ele, um Real forte e a Copa do Mundo podem ter feito com que os próprios brasileiros viajassem mais para a Europa."Outro fator é o fato de que o Brasil e a América Latina são considerados agora destinos mais seguros, por causa de atentados que ocorrem em outros locais e não ocorrem no Brasil", afirma.A supervisora da agência de viagens Bravo Travel também acredita que o interesse aumentou e acha que isso se deve a uma divulgação maior do Brasil entre os britânicos."Existe uma população muito grande de brasileiros aqui. Essa divulgação é feita hoje por esses brasileiros que moram aqui. Acabam levando amigos para o Brasil e tal, então a procura está bem maior", afirma. Reação As empresas aéreas começam aos poucos a reagir a essa mudança no mercado. A British Airways anunciou que vai aumentar os vôos para o Brasil de sete para dez por semana a partir de dezembro. A Tam também começará a ter vôos diretos de Londres para São Paulo a partir de outubro. Além disso, segundo Márcio da Silva, empresas como a Iberia, que haviam reduzido o número de vôos para o Rio de Janeiro há alguns anos, agora estão revendo esta posição.Destino, Brasil Apesar da dificuldade, os agentes de viagens afirmam que ainda não existe um impacto negativo entre os turistas. "Ninguém alterou o destino (da viagem) até agora", afirma a consultora de viagens da Journey Latin America, Ana Lívia Caragiannis."Muito pelo contrário, três pessoas (dois brasileiros e um britânico) me ligaram dizendo que tinham planejado ir para o Líbano, mas que queriam agora ir para o Brasil", afirma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.